Imprimir esta página   Enviar esta página por e-mail   Consultar estatística do site   Contactar serviços
Flash Menu Placeholder.





















As minhas sugestões
As minhas sugestões As minhas sugestões PDF

A Póvoa de Varzim e a Grande Guerra
A Póvoa de Varzim e a Grande Guerra A Póvoa de Varzim e a Grande Guerra

Guia <b>501 filmes para ver durante a vida</b>.    Última versão
Guia 501 filmes para ver durante a vida. Última versão Guia <b>501 filmes para ver durante a vida</b>.    Última versão PDF

Filmes DVD entradas em 2018
Filmes DVD
entradas em 2018
Filmes DVD entradas em 2018 PDF

online:
hoje: 395 
ontem: 1104 
este mês: 13979 
este ano: 261708 
total: 2009218 
último:
 
actividades > actuais > diana bar

Desfolhada




 

A Biblioteca Municipal Rocha Peixoto, em parceria com a Associação Desportiva e Recreativa Académico de Belém vai realizar no Diana Bar a desfolhada tradicional num ambiente rural e acolhedor para a vivência de uma tradição antiga, que se vai perdendo ao longo dos tempos.

A desfolhada é um trabalho agrícola em que se retira a espiga (ou maçaroca) da planta que se chama milho. Antigamente, em Outubro, as desfolhadas faziam parte do ciclo dos serões das aldeias. Hoje em dia, esta tradição já não está tão viva nas nossas aldeias. Segundo a tradição, adultos e crianças fazem uma roda à volta do milho, desfolhando-o à procura do milho rei, a espiga vermelha, para poder saudar o público presente. Quando a pessoa que desfolha encontra esta espiga, tem que dar um abraço a todas as pessoas presentes. A desfolhada termina sempre com uma festa, com comes e bebes, ao som do acordeão e de um baile.

A Associação Desportiva e Recreativa Académico de Belém mantem esta tradição com um grupo de Concertinas que animará o espaço improvisado, com músicas típicas que se costumam cantar nesse dia festivo. No final da “labuta”, homens e mulheres confraternizarão com um lanche, trocando experiências e costumes desta tradição rural.






Lançamento do livro
“Do Romântico ao Brejeiro"




 

A apresentação do livro será feita pela Dr.ª Marta de Oliveira Santos

Lúcia Ribeiro, também conhecida por Lucibei, nasceu na Póvoa de Varzim, corria o ano de 1951. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, Variante de Estudos Portugueses e Franceses. Obteve, ainda, o Diplôme Supérieur d’Études Françaises Modernes, de l’Alliance Française e o Diplôme Supérieur d’Études Françaises(D.S.E.F.) de l’ Institut Français, bem como duas Especializações: uma em Orientação Educativa e outra em Administração Escolar.
Tem trabalhos publicados em alguns jornais e revistas escolares e, ainda, em diversos sítios da Internet. Publicou na página que possui no Recanto das Letras, três E. livros: “Un morceau de moi” em 2011; “Olhares escritos sobre o amor” em 2012 e “Erótica MENTE” em 2013 e, é nesta página, que vai postando tudo quanto escreve.
Participou em 20 coletâneas: 16 em Portugal, 3 no Brasil, 1 em Itália e 1 em Paris. Colaborou na elaboração do “Conto de Natal” a 8 mãos”, um Projeto VianaCriativa e, ainda, na Exposição Fotográfica Solidária “Viana no Feminino”, de apoio ao GAF (Gabinete de Apoio à Família) de Viana do Castelo.
Escreveu o seu primeiro livro “SENSUALidade 1” em 2006; “BorboLetras” da Modocromia Editora, em 2012; “Erótica MENTE” em 2015 e “SENSUALidade 2” em 2017, também da Modocromia Editora.

“Do Romântico ao Brejeiro”
Livro de trovas e quadras
Apresentação da Dr.ª Marta Oliveira Santos

Neste livro encontrareis páginas e páginas de trovas e quadras, que vão do romântico, ao brejeiro, passando por temas mais populares, mais comuns, quicá, incomuns, não esquecendo também o popular e alguns temas que falam de gentes, festas, tradições e locais...
Uma faceta menos conhecida, da autora, porque menos divulgada, que se espera seja do agrado de todos (as).



6 de outubro, sábado, 21h

Na Biblioteca Diana-bar




Lançamento dos livros
“Aquela valsa: contos”, “Os novos contos da Ana Rita” e “Matilde e a avó”




 

Ascensão Ferreira Lopes nasceu em Várzea de Calde, distrito de Viseu, em 1962, residindo atualmente na Póvoa de Varzim.
Exerceu a profissão de auxiliar de ação médica durante cinco anos e meio na Suíça e também no Lar da Santa Casa da Póvoa de Varzim desde 1997 até 2005, onde frequentou vários cursos. Atualmente, trabalha na sua empresa. Desde os primeiros tempos que a poesia e os contos infantis são a sua companhia das horas vagas, tendo publicado a sua primeira obra em 2002, sob o título “Memórias da minha terra” (poesia), a que se seguiu, em 2006, “Um olhar meu” (poesia). Inicia-se na literatura infantil com o título “A flauta do cavalo branco” (2011), a que se seguiu “Ana Rita e os amigos” (2013) e “O farol dos pequenos aventureiros” (2014). Em 2018, publica “Os novos contos da Ana Rita”, “Aquela valsa” e “Matilde e a avó”.

Os novos contos da Ana Rita
A Ana Rita está de volta, mais os primos, os avós, os pais e os tios. Ah! E os amigos, que são os colegas da sua escola e os muitos meninos e meninas que gostam de ler as suas aventuras. Sim, porque a Ana Rita gosta de descobrir o mundo que a rodeia é isso é motivo para muitas aventuras sem perigo, mas com muita alegria e divertimento.

Matilde e a avó
Os pais da Matilde vão sair para jantar e a avó fica a tomar conta da sua netinha. E é entre os braços amorosos da avó que a neta vai conhecer o gato e o cão, a noite que traz o sono e o dia que traz a luz do sol. E os pais que, entretanto, voltaram...

Aquela Valsa: contos
Já muita gente disse certamente que a vida parece uma valsa, uma valsa que, nas palavras do poeta José Pacheco de Andrade, é “de falsa / ilusão (…)”. O próprio poeta nos explica essa simbiose entre valsa e vida, mencionando os momentos por onde perpassa cada vida como passos da dança: “ Percebe-se / então / qual é a / verdade: / emprego, / trabalho, / cansaço, /tormento, / juntando / à mistura /amor,/ casamento. (…) / E vêm / os filhos, / sarilhos / dobrados. / E vem / a doença / com cheiro / a finados. (…) / O que é / que ficou? / Vazio... / Saudade... / e um fundo / receio / da eternidade.” (in “Salpicos de vida”,). É, pois, uma espécie de valsa que Ascensão Lopes nos traz nesta sua colectânea de contos, em que cada conto é um passo dessa valsa da vida: amores e separações, filhos e pais, trabalhos, negócios… e uma antecâmara do fim num qualquer Lar S. Pierre, antes que a fita termine e a escuridão eterna chegue. Por mais valsas que dance, ou não dance, a vida é aquela valsa que todo o ser humano terá de dançar.

A vida
é uma valsa
de falsa
ilusão.
Volteia
tão cheia
de sonho
e paixão.
Começa-se
a medo,
passinhos
sem jeito
tropeços
que a mãe
ampara
no peito.
Não caias!
Sai dessa,
caminha,
vá lá.
Acerta
o compasso.
É isso,
já está!
Começa
a correr,
começa
a saltar.
Prá frente,
sem medo!
Começa
a sonhar!
E vem
a escola,
liceu,
faculdade;
Percebe-se
então
qual é a
verdade:
emprego,
trabalho,
cansaço,
tormento,
juntando
à mistura
amor,
casamento.
E o ritmo
diário,
ternário,
acelera:
manhã,
tarde, noite,
não corras,
espera!...
E vêm
os filhos,
sarilhos
dobrados.
E vem
a doença
com cheiro
a finados.
E luta
que luta,
sem tréguas.
Coragem!
A vida
é assim!
Prossegue
a viagem...
....................
E chega-se
ao fim
olhando
p'ra trás...
A vida
esfumou-se,
cansada,
fugaz.
O que é
que ficou?
Vazio...
Saudade...
e um fundo
receio
da eter-
nidade.
Que está
para além
do que
já passou?
Que a valsa,
tão falsa,...
essa
terminou!

29 de setembro, sábado, 16h

Na Biblioteca Diana-bar




Lançamento do livro
"Contos do imaginário"




 

Sofia de Azevedo Teixeira nasceu em 1975 em Argivai, Póvoa de Varzim. Décima filha de um Capitão do Exército Armindo Torres Teixeira e de Maria Albina Moreira de Azevedo Teixeira. Desde cedo imbuída pela escrita, a autora deve essa belíssima influência a seus pais.
Licenciada em Ciências Históricas, Ramo Cientifico e Ramo Educacional, lecionou em diversas escolas do norte do país.
Tem Formação em Escrita Criativa pelo Instituto Camões.
Trabalhou como colaboradora externa, da Biblioteca Municipal Rocha Peixoto, na área infanto-juvenil, na criação de peças de teatro.
É colaboradora de um dos jornais da Póvoa de Varzim (Mais Semanário) desde 2012. A sua primeira obra: Os penedos dos Guizos foi editada em 2008 pela CMPV. É um conto infanto-juvenil, baseando nos resquícios de uma lenda da sua freguesia, sobre uns gigantes penedos, que existiriam num local mais afastado da aldeia. A estes penedos associavam-se poderes mágicos e havia quem os fosse escutar para dar remédio aos seus males.
Terras de Ninguém editado em 2015, pela Chiado Editora, baseia-se numa experiência enriquecedora em que a autora, como voluntária, participou numa viagem de ajuda humanitária à Guiné – Bissau.
Argivai, viagem pela sua história editado em março de 2018, é uma obra na qual a autora realizou um trabalho histórico exaustivo sobre as origens e a antiguidade da sua freguesia de Argivai, incluindo a primeira recolha de património imaterial, recolha essa, de extremo valor para a preservação de uma identidade comum.
Contos do Imaginário a sua mais recente obra a ser editada em junho de 2018 é uma obra que inclui cinco contos infanto-juvenis originais, nos quais a imaginação e a criatividade voam livremente. È um estilo literário, com o qual, a autora muito se identifica.

Contos do Imaginário é o primeiro livro em que estão reunidos vários contos, da escritora Sofia de Azevedo Teixeira.
Desta obra fazem parte: A fada Leya; As letras cansadas; A noite em que a lua caiu; O caçador de sorrisos e Penas caem levemente.
São cinco contos originais, nos quais a imaginação, as personagens únicas e a criatividade, fluem livremente por mundos distintos uns dos outros. A imaginação não tem limites, quando a escrita é livre de amarras.



22 de setembro 2018, sábado, 21h30

Na Biblioteca Diana-bar




Dia Internacional da Família




 

No domingo, 14 de maio, o Diana-Bar recebe as celebrações do Dia Internacional da Família, numa iniciativa organizada pela Equipa para a Prevenção da Violência em Adultos (EPVA) do Agrupamento de Centros de Saúde da Póvoa de Varzim/Vila do Conde (ACES PVVC).

Será uma manhã diferente na biblioteca de praia poveira, com um conjunto de atividades que visam celebrar os valores da família, da amizade e do afeto. Às 10h00, realizam-se jogos tradicionais; às 11h00, terá lugar uma aula de dança para e às 12h00, todos serão envolvidos num momento musical por parte dos alunos do Agrupamento de Escolas de Aver-o-Mar.

As comemorações terminam às 12h20, com a entrega do primeiro, segundo e terceiro prémios do concurso de fotografia da família do ACES PVVC.

Esta iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.

A Assembleia Geral da ONU proclamou, pela Resolução n.º 47/237 de 20 de Setembro de 1993, o dia 15 de Maio como DIA INTERNACIONAL DA FAMÍLIA, com o objectivo de chamar a atenção de todo o mundo, governos, responsáveis por políticas locais e famílias, para a importância da FAMÍLIA como núcleo vital da sociedade e para os seus direitos e responsabilidades.

O primeiro Dia Internacional da Família foi em 1994.



14 de maio 2017

Na Biblioteca Diana-bar

Ver também:

      •     No portal municipal  




Praça dos Pintores




 

No dia 13 de maio, no Diana Bar, mais uma edição da Praça dos Pintores irá ser organizada pela Associação de Amizade Póvoa de Varzim/ Cidades Geminadas. Desta feita, o tema será “O turismo europeu diverso e sustentável, com os povos!”.

Os interessados em participar no Concurso de Pintura deverão preencher a Ficha de Inscrição e entregar no Atendimento da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, na Praça do Almada, ou enviar, através de correio eletrónico, para geminacao@gmail.com até ao dia 28 de abril de 2017.

A Praça dos Pintores está dividida em dois escalões: A (14, 17 anos) e B (18, 27 anos).

Os trabalhos realizados no âmbito deste Concurso vão estar expostos, no Diana Bar, de 23 de maio a 18 de junho, sendo que a entrega de prémios irá decorrer no dia 17 de junho, às 18h30, também no Diana Bar.

A Praça dos Pintores é organizada com o propósito de promover o intercâmbio cultural e que tem lugar anualmente em maio no âmbito das comemorações do Dia da Europa, conta quase sempre com a participação de jovens provenientes das cidades com quem a Póvoa mantém relações de geminação.



Dia 13 de Maio 2017, sábado

Na Biblioteca Diana-bar

Ver também:

      •     Evento no portal da Câmara Municipal  




Exposição de pintura
RETALHOS DA REALIDADE




 

Sinopse
“Estes retalhos tentam recriar porções da realidade que, ainda dentro da sua simplicidade, possam ter uma beleza capaz de agitar os nossos sentimentos.”

JUAN CARLOS VILAR
(Pontevedra, 1958)

EXPOSICIÓNS INDIVIDUAIS

  • 1982 Sala Albatros (Pontevedra)
  • 1995 Teatro Principal (Pontevedra)
  • 1995 Ateneo Corredoira (Combarro)
  • 1997 Museo Manuel Torres (Marín)
  • 1998 Teatro Principal (Pontevedra)
  • 1998 Casa da Cultura (Cangas do Morrazo)
  • 1998 Sala de Exposicións da RENFE (Vigo)
  • 1998 Casa da Cultura (Vilagarcía de Arousa)
  • 1999 Centro Cultural Municipal (Porriño)
  • 2000 Casa da Cultura (Noia)
  • 2001 Sala de Exposicións Municipal (Santa Uxía de Ribeira)
  • 2005 Centro Social Caixanova (Vigo)
  • 2005 Museo Manuel Torres (Marín)
  • 2005 Sala Albatros (Pontevedra)
  • 2006 “O alento da pedra”, Escola de Canteiros (Poio)
  • 2007 Ateneo de Ourense
  • 2007 Mosteiro de Lérez (Pontevedra)
  • 2008 Sala Universo (Pontevedra)
  • 2008 Casa da Cultura de Villafranca del Bierzo (León)
  • 2008 Centro Penitenciario da Lama
  • 2009 Casa da Cultura (Pontecaldelas)
  • 2013 “Realidade relativa”, Sala de Exposicións da Consellería de Cultura (Pontevedra)
  • 2013 “Espellismos”, Palacio das Mendoza (Pontevedra)
  • 2015 Sala de Exposicións da Xunqueira (Redondela)
  • 2015 Liceo Casino de Pontevedra
  • 2015 Sala de Información e Turismo de Ribadeo (Lugo)
  • 2015 Biblioteca Municipal de Luarca (Asturias)
  • 2016 “A minha realidade”, Biblioteca Municipal de Chaves (Portugal)
  • 2016 Casa da Cultura de Vilalba (Lugo)

    EXPOSICIÓNS COLECTIVAS

  • 1974 Liceo de Vilagarcía de Arousa
  • 1986 Museo de Pontevedra (Novos Valores)
  • 1992 Asociación Cultural Universitaria (Palencia)
  • 1994 FERPALIA (Pontevedra)
  • 1994 Sala de Arte da Diputación de Guadalajara
  • 1996 Biblioteca Municipal de Librilla (Murcia)
  • 1996 Feira do Debuxo e do Gravado (Pontevedra)
  • 1996 Sala de Arte da Diputación de Guadalajara
  • 1997 Feira do Debuxo e do Gravado (Pontevedra)
  • 1997 Biblioteca Municipal de Librilla (Murcia)
  • 1997 Feira do Debuxo e do Gravado (Vigo)
  • 1997 Museo Rafael Zabaleta (Quesada-Jaén)
  • 1998 Cercle Artistic Sant Lluc (Barcelona)
  • 1999 Feira do Debuxo e do Gravado (Santiago de Compostela)
  • 2000 Sala de Exposicións do Concello de Bueu
  • 2000 Feira do Debuxo e do Gravado (Santiago de Compostela)
  • 2005 Casa da Cultura de Muíños (Ourense)
  • 2007 Diputación Provincial de Guadalajara
  • 2008 Club Taurino Cultural “Domingo Ortega”, La Torre de Esteban Hambrán (Toledo)
  • 2009 Exposición itinerante do XI Certamen de Arte José Lapayese Bruna: Casa de la Cultura de Monreal del Campo (Teruel), Casa de la Comunidad de Daroca (Zaragoza) y Sala de Arte Contemporáneo de Calamocha (Teruel).
  • 2011 Espai Volart. Fundación Privada Vila Casas. Barcelona
  • 2015 “Imágenes y letras de la cárcel”, Espacio la Cochera (Santiago de Chile)

    PREMIOS E MENCIÓNS

  • I Sala de Pintura Xove de Galicia (Vilagarcía de Arousa, 1974)
  • 2º Premio no Concurso de Ilustración da ACUP (Palencia)
  • 1º Premio no Certame de Artes Plásticas do Casino Mercantil e Industrial (Pontevedra, 1994)
  • Mención de Honra no III Concurso de Debuxo “José Méndez Ruíz” (Librilla-Murcia, 1996)
  • Mención de Honra no IV Concurso de Debuxo “José Méndez Ruíz (Librilla-Murcia, 1997)
  • Seleccionado no Premio Nacional de Debuxo “Antonio del Rincón” (Deputación de Guadalajara, 1994 e 1996)
  • Seleccionado no XXVII Concurso Internacional de Pintura, Escultura e Debuxo (Quesada-Jaén, 1997)
  • 2º Premio no Concurso de Pintura “Alfonso Iglesias” (Bueu, 2000)
  • Finalista no Premio de Debuxo Provincia de Guadalajara 2007
  • Seleccionado no XI Certamen de Arte José Lapayese Bruna (Comarca del Jiloca, 2009)
  • Seleccionado no IL Concurs Internacional de Dibuix 2011 da Fundación Ynglada-Guillot (Barcelona)



    De 3 a 13 de abril 2017

    Na Biblioteca Diana-Bar




  • Lançamento do livro "Queda Livre"




     

    Apresentação por Aurelino Costa

    Sinopse
    “Vivemos o que é banal e, portanto, somos o que é banal. Perdemos a beleza, a vida apaixonada e o amor, perdemos o espanto e a ingenuidade do olhar, a sensibilidade do pensar e a liberdade de o fazer. Habitamos o reino do híper, do ultrassensível, à medida da fruição imediata e do consumo da aparência num espetáculo de existir contemporâneo, em todo o seu esplendor de aparência e diluição como fogo de artificio que é. A questão é: quando é que deixámos de ser sujeitos e passámos a ser sujeitados? Vivemos uma vida sem paixão e sem beleza, numa total imersão no vazio e na distopia, com tudo o que isso implica. Por isso proferimos a grande recusa. A recusa em ser sujeitado. Com isso escolhemos a angústia e desvelamos o que houver para ver: Apatia face ao relativismo axiológico e à recusa de Deus; hedonismo, que opera como elixir soporífero da angustia e da escolha, introduzido como novo principio moral; sedução, como nova teoria estética; desencanto, perante a decadência do engajamento politico (apesar de sermos ação e projeto e assim os senhores da história); ausência de paixão e instrumentalização da razão, do saber; recusa da estandardização, da rigidez, do conservadorismo, de tudo o que de perto ou de longe se assemelhe ao burocrático; incapacidade do estável e do duradouro; culto do ócio, do presente, do momento e do novo; olhar desesperançado sobre um futuro incerto, fugaz e absolutamente imprevisível. Todas estas tendências vêm-se conjugadas numa atitude, num só, num estar-aí que é sintomático. Este é o grito sacralizado(r) de uma existência eufórica, inebriante e exacerbada. Num mundo em que Deus está morto, em que estamos irremediavelmente entregues a nós próprios, ás nossas singelas e míseras existências. Sem desculpas, resta-nos ver tudo, fazer tudo e mostrar tudo, procurar assim um caminho no meio do caos distópico, uma ébria, mas livre possibilidade afrodisíaca de mergulhar na existência, no nada, na morte, na angústia, na migalha que sobrar no chão das estátuas vetustas e das calçadas gastas”.

    Apresentação do autor
    "Carlos Bertão nasceu em 1994 na Póvoa de Varzim e é estudante de Direito na Faculdade de Direito da Universidade do Porto. Publicou recentemente um poema na VI Antologia de Poesia Contemporânea "Entre o sono e o sonho" sob a chancela da Chiado Editora e atualmente é colaborador no jornal da AEFDUP "Tribuna".

    Fonte



    Dia 25 de março 2017, sábado, 16h

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Apresentação do livro “Coletânea II do Solar de Poetas”




     

    Sinopse
    Há precisamente três anos, a anteceder a apresentação do 1.º volume da Antologia do Solar de Poetas, José Sepúlveda, em “Poetas, Cantai”, deliciava-nos e deixava o mote:
    Juntaram-se poetas no Solar
    No alvorecer da nossa Antologia
    Cruzaram-se palavras pelo ar
    E de repente… nasce a poesia (…)

    Os poetas mantiveram-se juntos, em torno do Solar de Poetas, a que se foram juntando mais… e mais amantes da poesia. Poderíamos ser tentados a concluir, previamente, que a mescla de culturas, do modo de pensar e de estilos poéticos, não só inviabilizariam esta obra, como a tornariam pouco atrativa, caso avançasse para edição. Seria, naturalmente, uma conclusão abusiva, já que é reconhecida a existência de uma enorme riqueza na diversidade, bem patente na multiplicidade poética desta obra, que em boa hora se tornou realidade.

    Deixemos no ar, nem que seja por uns instantes, as citadas recomendações, bebendo a sua essência… e, reconforta- dos, continuemos a nossa caminhada, com a firmeza e generosidade dos justos que querem contribuir para um mundo melhor. Esta obra coletiva, prova-o. Que se mantenha sempre vivo, entre nós, o sentir poético, a fraternidade e o amor, para preenchermos inúmeras páginas em branco, contribuirmos para a desejada mudança – a começar pelo próprio – e vivenciarmos o prazer de “ouvir estrelas”.

    (extraído do prefácio de Jorge Nuno)



    Dia 11 de março 2017, sábado, 21h

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Correntes nas escolas
    iniciativas paralelas




     


    Dia 21 de fevereiro 2017, terça-feira, 10h30 e 14h30
    Adélia Carvalho e Raquel Patriarca


    Dia 22 de fevereiro 2017, quarta-feira, 15h30
    Inês Fonseca Santos


    Dia 24 de fevereiro 2017, 15h30
    Cristina Norton e Jaime Rocha


    Dia 24 de fevereiro 2017, 19h
    Álvaro Laborinho Lúcio e Mário Rufino

    De 21 a 24 de fevereiro 2017

    Na Biblioteca Diana-Bar

    Ver também:

          •     Correntes d.Escritas 2017  

          •     Programa  

          •     Dossier de comunicação  




    Olimpíadas de Escrita




     

    Afonso Cruz é o escritor convidado para lançar o tema aos 138 alunos que vão concorrer às Olimpíadas da Escrita, no dia 17 de março, sexta-feira, às 14h30, no Diana Bar.
    Os alunos escolhidos por oito escolas do concelho, mediante o tema lançado pelo convidado, vão construir um texto em prosa ou poesia que, posteriormente, será analisado pelo júri (constituído por um representante de cada escola e pelo Vice-Presidente e Vereador da Cultura, Luís Diamantino). Os três melhores trabalhos de cada escalão e categoria vão ser premiados na Festa de Encerramento do Projeto Escola da Minha Vida, atividade na qual a iniciativa Olimpíadas da Escrita está inserida. A cerimónia de entrega de prémios vai decorrer no dia 5 de maio, no Pavilhão Municipal.
    As Olimpíadas da Escrita pretendem incentivar a arte da escrita através do contacto com um escritor para motivar e despertar o processo criativo dos jovens.
    Sob o tema “A Estratégia Europeia para a Juventude 2010-2018”, o Projeto Escola da Minha Vida (PEMV) é o resultado de uma aposta segura da Câmara Municipal, através da Casa da Juventude, com o objetivo de juntar duas formas importantes de estar na vida: a desportiva e a artística, fomentando o gosto pelo desporto e pela arte nos mais novos, seja através da produção de textos, de traços, de cores ou da prática do exercício físico.
    O premiado escritor Afonso Cruz, que é também ilustrador, realizador de filmes de animação e membro da banda musical “The Soaked Lam”, é um frequente participante nas Correntes d’Escritas e, por isso, já um “velho amigo” da Póvoa de Varzim.


    Nasceu em 1971, na Figueira da Foz e estudou nas Belas Artes de Lisboa, no Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira e na António Arroio. É escritor, músico, cineasta e ilustrador.
    Escreveu oito livros: A Carne de Deus (Bertrand), Enciclopédia da Estória Universal (Quetzal - Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco 2010), Os Livros Que Devoraram o Meu Pai (Caminho - Prémio Literário Maria Rosa Colaço 2009), A Contradição Humana (Caminho - Prémio Autores 2011 SPA/RTP; escolha White Ravens 2011; Menção Especial do Prémio Nacional de Ilustração 2011, Lista de Honra do IBBY - International Board on Books for Young People, Prémio Ler/Booktailors - Melhor Ilustração Original), A Boneca de Kokoschka (Quetzal - Prémio da União Europeia para a Literatura), O Pintor Debaixo do Lava-Loiças (Caminho), Enciclopédia da Estória Universal - Recolha de Alexandria (Alfaguara) e Jesus Cristo Bebia Cerveja (Alfaguara - Prémio Time Out 2012 - Melhor Livro do Ano). Participou ainda nos livros Almanaque do Dr. Thackery T. Lambshead de Doenças Excêntricas e Desacreditadas (Saída de Emergência), O Prazer da Leitura (FNAC/Teodolito), O Caso do Cadáver Esquisito (Associação Cultural Prado), Vollüspa (HMEditora), Antologia de Ficção Científica Fantasporto (Asa), Histórias Daninhas, e Isto Não É um Conto.
    Ilustrou, desde 2007, cerca de trinta livros para crianças, trabalhando com autores como José Jorge Letria, António Torrado, Alice Vieira. O livro Bichos Diversos em Versos foi seleccionado pela Biblioteca Internacional de Juventude /White Ravens 2010 e Galileu à Luz de uma Estrela ganhou o Prémio Ler/Booktailors 2011 - Melhor Ilustração Original. Também tem publicado ilustrações em revistas, capas de livros e publicidade.
    Em 2007 gravou um disco (Homemade Blues) com a banda de que é membro, The Soaked Lamb, para o qual compôs todos os originais, escreveu letras, tocou guitarra, harmónica, banjo, lap steel, ukulele e cantou. Em 2010, lançou um novo CD, Hats and Chairs, apenas de originais e com vários convidados. O terceiro disco é de 2012 e chama-se Evergreens.
    The Soaked Lamb foi uma das bandas distinguida nos Prémios Pop Eye 2011, atribuídos pelo Festival Cáceres Pop Art, em Espanha. Trabalhou como animador em vários filmes e séries tais como A Maravilhosa Expedição às Ilhas Encantadas; pilotos de A Demanda do R, Toni Casquinha, Óscar, As aventuras de João sem Medo; e vários filmes de publicidade.
    Fez layouts para alguns episódios da série Angelitos e realizou vários filmes de O Jardim da Celeste, Rua Sésamo e Ilha das Cores.
    Juntamente com mais duas pessoas, realizou uma curta-metragem chamada Dois Diários e um Azulejo, que ganhou duas menções honrosas (Cinanima e Famafest), um prémio do público e participou em diversos festivais internacionais. Também foi o realizador de O Desalmado e da série Histórias de Molero (uma adaptação do livro de Dinis Machado, O Que Diz Molero). Para publicidade destaca-se a campanha Intermarché onde realizou mais de duzentos filmes durante os anos de 2006 e 2007.


    Bibliografia existente na Biblioteca Municipal Afonso Cruz - autor

  • (A) Boneca de Kokoschka. Lisboa: Quetzal Editores, 2010. ISBN: 978-972-564-903-9. Prémio Camilo Castelo-Branco.
  • (A) carne de Deus: Aventuras de Conrado Fortes e Lola Benites. Lisboa: Bertrand Editora, 2008. ISBN: 978-972-25-1733-1.
  • Enciclopédia da estória universal: Arquivos de Dresner. Carnaxide: Editora Objectiva, 2013. ISBN: 978-989-672-162-6.
  • Enciclopédia da estória universal: Mar. Carnaxide: Editora Objectiva, 2014. ISBN: 978-989-8775-11-5.
  • Enciclopédia da estória universal: Recolha de Alexandria. Carnaxide: Editora Objectiva, 2012. ISBN: 978-989-672-134-3.
  • (O) livro do ano. 2ª edição. Carnaxide: Editora Objectiva, 2013. ISBN: 978-989-672-161-9.
  • (Os) livros que devoraram o meu pai: a estranha e mágia história de Vivaldo Bonfim. Alfragide: Editorial Caminho, 2010. ISBN: 978-972-21-2095-1. Prémio literário Maria Rosa Colaço 2009.
  • Para onde vão os guarda-chuvas. Carnaxide: Editora Objectiva, 2013. ISBN: 978-989-672-197-8.
  • (O) pintor debaixo do lava-loiças. Alfragide: Editorial Caminho, 2011. ISBN: 978-972-21-2418-8.

    Afonso Cruz - ilustrador

  • LETRIA, José Jorge; CRUZ, Afonso, il. - (Os) cromos da bola. Cruz Quebrada: Oficina do livro, 2008. ISBN: 978-989-555-362-4.
  • LETRIA, José Jorge; CRUZ, Afonso, il. - (O) dia em que mataram o Rei. Cacém: Texto Editores, 2007. ISBN: 978-972-47-3405-7.
  • LETRIA, José Jorge; CRUZ, Afonso, il. - Machado dos Santos: o herói da rotunda: o homem que fez triunfar a República. Alfragide: Texto Editores, 2009. ISBN: 978-972-47-4058-4.
  • LETRIA, José Jorge; CRUZ, Afonso, il. - (A) minha República. Alfragide: Publicações Dom Quixote, 2009. ISBN: 978-972-20-3859-1.
  • VIANA, António Manuel Couto; CRUZ, Afonso, il. - Bichos diversos em versos. Alfragide: Texto Editores, 2008. ISBN: 978-972-47-3780-5.


    * Bibliografia ordenada alfabeticamente. Primeiro, ficção para adultos; segundo, livros infantis.

    Dia 17 de fevereiro 2017, 14h

    Na Biblioteca Diana-Bar




  • Lançamento do livro “Em Redes”




     

    Apresentação por Álvaro Maio

    SINOPSE de EmREDEs
    A aventura da jovem Nina, em luta constante consigo mesma, começa quando, irritada pelo facto de um professor lhe ter pedido o telemóvel que estava a usar nas aulas, infringindo as regras da escola, publica a notícia nas redes sociais. O professor Júlio, extenuado com a indisciplina, reage de uma forma surpreendente: chora perante os alunos, revelando uma faceta de fragilidade, com a qual todos se divertem. Esse acontecimento traz consequências desastrosas, porque revela as inseguranças e as fragilidades, mas também as convicções, de um conjunto de pessoas que pertencem às relações desta figura. É o caso do Luís, filho do professor, muito inteligente mas completamente marginalizado pelos colegas e vítima de bulling; de Lili, amiga de Nina, exótica e diferente, que acabará por ser vítima da separação dos pais e ainda de um rapto perpetrado por um desconhecido; de Amélia, irmã de Nina, que trabalha para educar a irmã num supermercado, mas tem de se prostituir para pagar as despesas (ficaram órfãs de pai e mãe, depois de uma tragédia que se abateu sobre a família), e que será um elemento importantíssimo na recuperação de Júlio, o professor, quando este tenta suicidar-se. Refira-se que o contexto escolar é também abordado, através da caraterização de alguns elementos secundários mas que lhe dão forma. Toda esta aventura que se desenvolve ao longo de 320 páginas é vivida durante precisamente sete dias.

    CIDÁLIA DA CONCEIÇÃO AZEVEDO FERNANDES
    Nasceu em Vieiro, concelho de Vila-Flor, no dia 14 de Março de 1961.
    Fez os seus estudos primários em Pinhal do Norte e em Carrazeda de Ansiães; na cidade de Bragança, no Liceu Nacional, completou os seus estudos secundários.
    Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, variantes de Português e Alemão, na Faculdade de Letras do Porto. Obteve o grau de mestre, ao defender a tese de Mestrado em Cultura Portuguesa: “António Nobre: o homem, o poeta e as pequenas (grandes) coisas”, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Dezembro de 2006.
    É professora efetiva na Escola Secundária de Penafiel, onde se encontra a lecionar a disciplina de Português, a alunos do ensino secundário.
    É Vice-Presidente da Anto (Associação dos Amigos de António Nobre), com sede em Vila-Meã.
    Tem participado em vários festivais infantis e juvenis, a nível nacional, nos quais obteve já vários prémios.

    É co-autora de:

  • Manuais escolares de Português: “Conversas 1”, “Conversas 2” e “Conversas 3”, para o 3º ciclo do Ensino Recorrente; “ Discursos”, para o 10º ano, da Didáctica Editora; “Português Vivo”, para o 10ºano, da Plátano Editora (2011).
  • “Resumir é fácil”, Plátano Editora; 2004;
  • “Fernando Pessoa, Poesia em Análise”, Plátano Editora, 2006;
  • Coletâneas de poesia: “Vejo-te como se pode ver / através desta chuva oblíqua”, da Editora Granito, publicada em 2001 e “Poetas de Sempre”, da Editora Cidade Berço, publicada em 2003;
  • “Lupinhas” - Aplicação do método das 28 palavras, 1º ano, 1º ciclo, Edições Livro Directo;
  • “Meta Gramatical 2”, “Meta Gramatical” 3 e “Meta Gramatical 4”, da Livro Directo, 2013;
  • “Despertar”, manual de 4º ano, Livro Directo (2013);
  • Livros de Férias “Férias em 3D, 1, 2, 3 e 4”, Edições Livro Directo, 2013;
  • “Preparação para o exame de Português 9º ano”, Plátano Editora, 2013;
  • “Antologia Contos de Natal”, Editora Novembro, 2014;
  • “Tira-Teimas” - Preparação para o exame de 9º ano, Edições Livro Direto, 2016;
  • “Fantasia”, Antologia de contos fantásticos, Editora Novembro, 2016;
  • “Natalícia”, Antologia de Contos de Natal, Editora Novembro, 2016.

    É autora de:

  • “Contar, Ouvir, Sonhar...” Editorial Paulinas, 2002;
  • “Nove Contos de Natal”, Editora Campo das Letras, 2003;
  • “Argumentar é fácil”, Plátano Editora, 2005;
  • “O Barquinho Amarelo”, Editora Campo das Letras, 2005;
  • “Alberto e a Árvore de Natal”, Editorial Livro Directo, 2006;
  • “Contos e Lendas de Portugal”, Plátano Editora, 2007;
  • “Marco e Luna na terra dos gnomos”, Editora Fronteira do Caos, 2007;
  • “Alberto na Antártida”, Editorial Livro Directo, 2007;
  • “Era uma vez o Livro”, Editorial Livro Directo, 2008;
  • “Alberto na Idade Média”, Editorial Livro Directo, 2008;
  • “As pegadinhas de S. Gonçalo”, Plátano Editora, 2009;
  • “Chamo-me… Fernando Pessoa”, Coleção Chamo-me, Didáctica Editora, 2009;
  • “Alberto no país dos Excessos”, Editorial Livro Directo, 2009;
  • “Um Auto à República”, Plátano Editora, 2009;
  • “Páginas de Saramago”, obra de análise do Memorial do Convento, Plátano Editora, 2010;
  • “Chamo-me… José Saramago”, Coleção Chamo-me, Didáctica Editora, 2010;
  • “O Natal dos nossos animais”, Antologia de Natal, Soregra Editora, 2010;
  • “Pérola, a ovelhinha de Natal”, Edium Editores, 2010;
  • “Onde está o Pai Natal”, Edições Livro Directo, 2011;
  • “O Menino que não gostava de Sopa”, Edições Livro Directo, 2011;
  • “Atlas, O Bibliófago”, Plátano Editora, 2012;
  • “A Menina que não gostava de Fruta”, Edições Livro Directo, 2012;
  • “Preparação para o exame de Português 12º ano”, Plátano Editora, 2012;
  • “O Menino Sorrisinho de leite”, Edições Livro Direto, 2013;
  • “E o Natal aconteceu”, Edições Livro Directo, 2013;
  • “A Casa da Lua”, Mosaico Editora, 2014;
  • “Alberto no Mundo dos Dinossauros”, Edições Livro Directo, 2015;
  • “Conta”, Editora Novembro, 2016;
  • “EmREDEs”, Editora Edita-Me, 2016;
  • “A Lagarta”, A Cigarra e a Formiga”, duas peças de Teatro, Editora Livro Directo, 2016.

    Outros trabalhos:

  • Apresentações de livros: “A Escrava de Córdova” e “A Profecia de Istambul”, de Alberto Santos; “Antologia”, da Amante das Leituras e “Nostalgia”, de Júlio Fernandes;
  • Participação na Revista Folium, Revista anual da Associação dos Amigos do Arquivo de Penafiel;
  • Participação na Comemoração dos 500 anos da Santa Casa da Misericórdia de Penafiel, “Olhares Convergentes” em 2009;
  • Publicação online “O Menino e o Sonho”;
  • Publicação online “A maior flor”, 2º Prémio Concurso Saramago – 90 anos / PNL, 2013.
  • Participação no Festival Literário de Ovar, em 2016.

    No âmbito do incentivo à leitura, tem realizado inúmeras deslocações às escolas de todo país, divulgando, ao mesmo tempo, os seus livros e incentivando o público infantil e juvenil à leitura e à escrita criativa. Tem participado também, a convite das escolas, em atividades relacionadas com a literatura em geral (poesia, contos, lendas, etc.). Tem-se deslocado ainda às escolas, apresentando a Dramatização dos livros “Chamo-me Fernando Pessoa” e “Chamo-me José Saramago”, destinados aos alunos do Ensino Secundário, mas especificamente aos do 12º ano.



    Dia 3 de fevereiro 2016, sexta, 21h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




  • Lançamento do livro de poesia "Ident-idade"




     

    “Ident-idade”, mais do que um livro, é um projeto. O seu autor, Renato Maia, quis dar nova vida aos textos, escritos entre o final da adolescência e o início da idade adulta (entre 2007 e 2011), convidando um conjunto de artistas para ilustrar, declamar e musicar as suas palavras.

    O livro contém 21 poemas de Renato Maia e ilustrações de Bruno O. Gonçalves, Joana Rita, João Roberto, Joel Faria, Luís Gomes, Marco Moura, Patrícia Roque, Sílvia Teixeira e Stéphanie Ferreira.

    O CD, que acompanha gratuitamente o livro, tem os poemas interpretados por Vítor Norte, Viviane, Madalena Alberto, Orlanda Guilande, Henrique Feist, João Barros, António Ataíde, Zé Perdigão, Paulo Praça, Hugo Rei e Pedro Lima. A música original é da autoria de: Paulo Furtado, Rita Red Shoes, Noiserv, Frankie Chavez, Pedro Renato, Gonçalo Rui, João Rui, José Rebola , Toni Lourenço, Paulo Praça, Luíz Caracol e Pedro Teixeira Silva.

    Renato Maia nasceu em 1989. É licenciado em Comunicação Social pela Escola Superior de Educação de Coimbra. Em 2007, venceu o Prémio “Escola da Minha Vida”, atribuído pela CM da Póvoa de Varzim, na categoria de Poesia com o poema “Auto lição de vida”. Em 2011, venceu o Prémio Nacional de Jornalismo Universitário, na categoria de imprensa, com a reportagem “Histórias de Guerra”.



    Dia 17 de dezembro 2016, sábado, 15h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Exposição
    Capela Marta: 65 anos de música




     

    Exposição
    Capela Marta – 65 anos de Música

    Abertura da exposição – dia 5 de novembro, sábado, às 11h

    Integrada no IV Encontro de Música Coral da Póvoa de Varzim
    “A Associação Cultural Capela Marta, à passagem do seu sexagésimo quinto aniversário, abre-se à Póvoa de Varzim nesta pequena mostra de momentos, em que, através de reportagens fotográficas, numismática, exemplares de trajes usados pelos seus componentes ao longo dos tempos, testemunhos escritos de quem conheceu e de quem conhece a Capela e outros elementos expostos, numa atitude humilde, mostrando de si, se dá à Póvoa e aos seus.”



    De 5 de novembro a 3 de dezembro 2016

    Na Biblioteca Diana-Bar

    Ver também:

          •     Fotogaleria  

          •     Nota de imprensa  




    Lançamento do livro
    "Pensamento em poesia"




     

    Maria José Guimarães
    Nasceu a 10 de Fevereiro de 1953, na freguesia de Tuias, Concelho de Marco de Canaveses. Realizou ensino primário na escola primária da mesma freguesia, (sede do concelho).
    Emigrou com os seus pais para os Estados Unidos sendo ainda muito jovem. Completou os seus estudos na Cidade de Nova York. Onde viveu até recentemente, nunca esquecendo as suas raízes e a sua Pátria.
    Sempre sentiu uma grande paixão pela POESIA.
    Mas foi recentemente quando regressou a Portugal.
    Quando se dedicou a escrever os seus" Pensamentos em Poesia".

    Participou nas Antologias poéticas:
    "MAR - À - TONA MAR DE BRUMA"
    "PERDIDAMENTE"

    Sinopse
    Foi um enorme prazer editar este livro com alguns dos meus pensamentos. É uma maravilhosa aventura para mim, e o meu maior desejo é chegar ao coração dos meus leitores.
    Quando escrevo, faço-o com o coração e a alma.
    Quero dedicar este pequeno livro de poesia em pensamento a todos os meus familiares e amigos que me inspiraram a editar.



    Dia 5 de Novembro 2016, 16h

    Na Biblioteca Diana-bar




    Desfolhada




     

    A Biblioteca Municipal Rocha Peixoto, em parceria com a Associação Desportiva e Recreativa Académico de Belém vai realizar no Diana Bar a desfolhada tradicional num ambiente rural e acolhedor para a vivência de uma tradição antiga, que se vai perdendo ao longo dos tempos.

    A desfolhada é um trabalho agrícola em que se retira a espiga (ou maçaroca) da planta que se chama milho. Antigamente, em Outubro, as desfolhadas faziam parte do ciclo dos serões das aldeias. Hoje em dia, esta tradição já não está tão viva nas nossas aldeias. Segundo a tradição, adultos e crianças fazem uma roda à volta do milho, desfolhando-o à procura do milho rei, a espiga vermelha, para poder saudar o público presente. Quando a pessoa que desfolha encontra esta espiga, tem que dar um abraço a todas as pessoas presentes.

    A desfolhada termina sempre com uma festa, com comes e bebes, ao som do acordeão e de um baile.

    A Associação Desportiva e Recreativa Académico de Belém mantem esta tradição com um grupo de Concertinas que animará o espaço improvisado, com músicas típicas que se costumam cantar nesse dia festivo. No final da “labuta”, homens e mulheres confraternizarão com um lanche, trocando experiências e costumes desta tradição rural.



    Dia 29 de Outubro 2016, Sábado, 21h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Lançamento do livro “Eu SEI / JE SAIS”




     

    Apresentação da obra por Jean-Pierre Bouard
    Fotografia de Manuel Meira
    Participação musical de Noé Gavina

    BIOGRAFIA
    Maria Stingl (pseudónimo de Benedita Stingl) é Mulher, Imaginação, Sedução, Erotismo e Paixão. “Eu sei - Je Sais” é o seu segundo livro, depois de “Amar com Palavras”, publicado pela Editorial Novem¬bro, em 2016.

    SINOPSE
    EU SEI, Maria Stingl, que a nudez hoje é um elemento muito explorado, porque ao contrário do que se pensa somos preconceituosos com o nu.
    Recordo A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER e o exercício do espelho de uma das suas personagens, enquanto leio e releio este livro. JE SAIS é feito com o corpo e com o olhar e causa rebuliço.
    Não nascemos (os humanos) com roupas. Nascemos revestidos com a pele, que em experiência cultural e não biológica não serve de véu, aquele que nos foi posto naturalmente sobre o corpo.
    Mas estar nu pode ser descobrir a pele, essa que alguém pode olhar quebrando a privacidade e a necessidade de exposição.
    Maria Stingl fala-nos ou escreve-nos sobre olhar o nu: um olhar que inspeciona, que busca algo sob a roupa: observar a partir de insinuações e imaginar a arte em ficar com roupa e fazer o observador imaginar o corpo nu. Há uma pele por debaixo da roupa... e sim, nós sabemos, EU SEI.



    Dia 28 de outubro, sexta-feira, 21h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Lançamento do livro "Desassossegos"




     

    “Fazendo jus ao título, Maria Antónia de Carvalho Mendes Ribeiro revela, nesta obra, um grande caudal de desassossego, ainda que saiba muito bem onde se situa o saldo da sua vida. Um desassossego que vem de cantos vários; desde logo da ausência (e dos ausentes), que só a memória e a palavra do verso recuperam da penumbra; também o desassossego causado pela vertigem do questionamento sobre o que foi o caminho e o que poderia ter sido, ainda o desassossego por causa do presente, de alguém cuja deambulação poética não lhe tapa os olhos perante a espuma dos dias. Mas há mais, para lá do desassossego – há o sempiterno fascínio pelas coisas simples e belas, a esperança imorredoura na benfazeja aragem da vida, o amor à cidade das neblinas e das pontes, onde os “bês” e os “vês” mudam de sexo a toda a hora, na boca das gentes. Tudo num verso curto, contido, ora florindo em rima ora ficando verso branco, porque a fluidez da palavra, como a da água límpida, é a praia da poetisa”.

    Maria Antónia de Carvalho Mendes Ribeiro. Natural da Cidade do Porto.
    Licenciada em Biologia pela Universidade de Coimbra.
    Membro da Associação Portuguesa de Escritores (APE) desde 2001.
    Sócia Fundadora da AICEM (Associação do Idioma e Culturas em Português).
    Publicou as obras poéticas: "Sentir" (2oo2), "Inquietudes" (2oo7), "Emoções" (2011) e “Desassossegos” (2015).
    Faz parte de 16 Antologias.
    Tem colaborado em Jornais e Revistas e participado regularmente em Saraus Poéticos.
    Dedica-se também à Fotografia e Pintura, tendo realizado exposições individuais e colectivas, em diversos espaços: no Porto, Braga e Póvoa de Varzim.

    Apresentação da obra será feita pela Drª Conceição Lima e haverá uma actuação do Eng. Francisco Carvalho (cantor e músico).



    Dia 15 de outubro 2016, 15h30

    Na Biblioteca Diana-bar




    PARTILHAS
    Exposição coletiva dos alunos da FLUXOS – Escola Artística




     

    “ Partilhas”
    Esta mostra, tem como objectivo a divulgação de trabalhos dos alunos da FluXus - Escola-Artística. Desde os desenhos mais simples, passando pelos trabalhos mais evoluídos, todos refletem uma excelente execução técnica e uma forte expressão artística. A pintura é o objecto de maior importância na formação destes artistas, na linguística pictórica e na concretização do objecto.
    Os trabalhos aqui representados, refletem sensibilidade e talento, que aliados à técnica, são a concretização dos seus projectos. É desta forma que idealizam as obras, executam os trabalhos, levando-os ao público, numa aproximação afectiva com o espectador.

    Lista de Participantes

  • Adelaide Gonçalves;
  • Alexandra Sá;
  • Alzira Amaral;
  • Ana Paula Martins;
  • Carlos Fangueiro;
  • Fátima Oliveira;
  • Fernando Oliveira;
  • Floriano Costa;
  • Francisco Lamelas;
  • Ilda Agante
  • Inês Fichtl;
  • Joana Viana;
  • José Costa;
  • Mafalda Guimarães;
  • Maria Celeste Miranda;
  • Maria Eugénia;
  • Miguel Sousa;
  • Napoleão Moura;
  • Natália Guimarães;
  • Pedro Fangueiro;
  • Regina Fernandes;
  • Sara Anjos;
  • Sara Vicente;
  • Zulmira Duarte;

    De 1 a 29 de outubro 2016

    Na Biblioteca Diana-bar




  • Palestra "Quem tem Coragem?"




     

    VIU A MORTE À SUA FRENTE...
    LOGO A SEGUIR ESCREVEU O LIVRO!

    Sinopse
    José Canita, aos 50 anos de idade, deixa um emprego de 22 anos e após um acidente de viação, que lhe podia tirar a vida, decide iniciar uma nova fase da sua vida – ajudar pessoas!
    Desde criança, sempre foi uma pessoa de sonhos, lutando por eles, mesmo passando por grandes obstáculos.
    Como foi possível sobreviver à violência doméstica, e ao bullying?
    Como foi possível vencer a obesidade, a hipertensão e os valores elevados do colesterol e triglicéridos?
    Como foi possível resistir aos vícios do álcool, do tabaco e da droga?
    Como é ser livre? Como se consegue?
    Tudo isto, e muito mais pode descobrir neste livro, agora ao seu dispor.
    Se é estudante, anda à procura do primeiro emprego, está empregado, é um desempregado, ou é empreendedor, então este também é o livro certo para si.
    Um livro para despertar consciências, indicado para todas as pessoas que ainda não atingiram a sua felicidade, o seu bem-estar e equilíbrio físico, mental e espiritual.

    Este livro pode mudar a sua vida! Tem coragem em ler?


    José Canita
    Tem 50 anos, é formado em Engenharia de Produção Agrícola, tendo outras formações específicas nas áreas da Agro-Indústria, Política Agrícola Comum, Projetos de Investimento, Economia Social, Distribuição Alimentar, Logística, Marketing, Vendas, Comunicação, Gestão de Empresas, Gestão de Marcas, Gestão de Qualidade, Eventos, Neurociência e Liderança. A comemorar em 2015, os 25 anos de carreira profissional, iniciou a mesma nas Agro-Indústrias, inicialmente na Incotal, passando depois pela Agro-Divor (grupo Sonae), de onde saiu em 1992 para a Carmim. Foi Diretor Geral desde 1999, terminando por iniciativa própria em 11 de Julho de 2014, com a sua saída do grupo.
    Ao longo destes anos foi mentor e gestor de vários projetos e marcas líderes de mercado. Desenvolveu trabalho também ao nível do recrutamento, criação, gestão, formação e treino de equipas de vendas. Neste momento iniciou o seu percurso de Autor, com este seu primeiro livro, e em simultâneo é Consultor, Formador e Palestrante. Mentor do projeto QUEM TEM CORAGEM?, que integra a TOUR PORTUGAL, a qual irá passar por 50 cidades portuguesas e mais 25 outras localidades/Escolas Secundárias e Universidades, no âmbito dos seus 25 anos de carreira profissional.



    Dia 1 de Outubro, sábado, 16h

    Na Biblioteca Diana-Bar




    É-AQUI-IN-ÓCIO: Festival Internacional de Teatro




     

    De 22 de setembro a 01 de outubro, o Cine-Teatro Garrett e o Diana-Bar vão receber a VII edição do Festival Internacional de Teatro na Póvoa de Varzim, É-Aqui-in-Ócio, organizado pelo Varazim Teatro em parceria com a Câmara Municipal.

    O Festival começa no dia em que se dá o Equinócio de Outono e vai apresentar um formato mais reduzido relativamente às edições anteriores, mas mantendo a qualidade a que a todos já habituou.

    Às 22h00 de 26 de setembro, dia do 19º aniversário da Varazim Teatro, o Diana-Bar junta-se ao Festival Internacional de Teatro com a apresentação da obra “Que mal Fiz eu a Deus?”, do Coletivo Estupendo Inuendo.

    Inserido no projeto “Ando a Estudar para ser Poeta”, por Manel Rei, a obra versa sobre a “ideia de um proto-poeta enclausurado na procura de uma linguagem própria que o liberte na direção da sua construção enquanto ser sério, sábio, sensível, intelectual e iluminado.”

    Os bilhetes estão disponíveis no Cine-Teatro Garrett, no horário de funcionamento da bilheteira, das 10h30 às 12h30 e das 15h30 às 17h30 de segunda a sexta-feira, e a partir das 15h30 no dia do espetáculo. As entradas podem ainda ser compradas nos estabelecimentos FNAC, Worten e CTT e online em www.bol.pt.

    Podem ser efetuadas reservas através do email vt@varazimteatro.org e dos telefones Varazim Teatro - 916 439 009 e 912 420 129 e Cine-Teatro Garrett – 252 090 210.

    O valor das entradas é de 7,00€. Estudantes, reformados, menores de 25 anos e maiores de 65, desempregados, pessoas portadoras de deficiência e grupos de 8 pessoas têm direito a desconto e só pagam 5,00€, enquanto os associados do Varazim Teatro pagam apenas 3,50€.

    A sessão de cinema do Cineclube Octopus é de entrada livre para sócios do cineclube e tem o custo de 4€ para não sócios.



    Dia 26 de setembro 2016, 22h

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     Varazim Teatro  




    "DIANA'S" - espectáculo de teatro / concerto




     

    "Não sabemos ainda bem o que este espectáculo é, há alturas que não sabemos se é teatro ou se é um concerto. E depois também não sabemos se estamos a fazer teatro num concerto ou se estamos nós mesmos no concerto dos Beatas. Que fazem de uma banda que não são os Beatas e também não sabem se estão a participar numa brincadeira ou a dar um concerto deles. Uma salgalhada. Mais uma. O que é bom é arriscar. Montamos este espectáculo durante as nossas férias e estamos felizes por estarmos a ser capazes de montar uma peça/ concerto/ brincadeira completamente sozinhos, sob a nossa direcção e visão. A ver o que dá."
    - Pathos



    Dias 26 e 27 de agosto 2016, 21h45

    Na Biblioteca Diana-Bar




    detalhAR
    - Exposição de fotografia aérea




     

    Comemoração do 15º aniversário do Aeroclube do Norte/ Póvoa de Varzim

    Exposição na PÓVOA de VARZIM – Agosto 2016
    Titulo da Exposição "detalhAR"

    "Ao pensar-se em fotografia aérea, provavelmente as primeiras associações que se fazem, passam pela ideia de abrangência e total amplitude. Por conseguinte, a visão inequívoca. No entanto, mesmo a "alguns" metros de altitude, a ilusão acontece. É neste ponto que reside a intenção desta exposição. Assim, a partir do enfoque no detalhe e na anulação de referentes mais decifráveis, pretende-se com estas imagens transportar o observador para narrativas, que só a ele lhe pertencem e, de certo modo, explorar na fotografia aérea novos campos de fruição."

    "O sobrevoo deste espaço foi uma absoluta surpresa, não só pelo impacto sentido no momento mas, em especial, pela observação posterior das imagens em sucessivas aproximações a diferentes escalas.
    A natureza singular deste espaço revelou-se perante o fotógrafo como um enigmático mosaico de cor, triunfante na sua especificidade e que, permitindo uma leitura pictórica variada, nos apresenta diferentes escalas de interpretação, que se vão revelando ao longo das sucessivas visitas a estas imagens, a que regularmente retornamos.
    A imagem do sapal aparece-nos como a junção de retalhos de cores e texturas variadas, que assumindo uma leitura enigmática, realçam a beleza e indefinição referêncial do motivo. O retorno à imagem releva um aparente ruido, qual salpicos do pincel que percorria aquela tela. O reconhecimento do espaço, que a imagem obliqua retrata, permite então perceber que esses salpicos são aves, dando, agora, um sentido vivo à paisagem. Descobrimos uma nova imagem!
    A artificialização das salinas confunde-nos primeiro como se tratassem de partes de coloridos azulejos, onde ainda pensamos ver as marcas cor de laranja das pinceladas. Uma nova observação permite no entanto ver que aquelas linhas não se tratam das juntas entre os azulejos mas sim os canais existentes entre as salinas. Poder-se-ia assim dizer que estamos em presença de imagens de observação variável. A diferente escala da observação constroi a informação de modo distinto alternando entre a apreciação da estrutura gráfica com sua interpretação descritiva."

    - - - - - - -

    FRANCISCO PIQUEIRO
    Nascido a 30 Dezembro 1961, no Porto, é Licenciado em Engenharia Civil e Doutorado em Engenharia Civil ( Hidráulica ) pela F.E.U.P..
    Profissionalmente é Professor Auxiliar de Hidráulica da F.E.U.P..
    No que respeita à Fotografia é autodidacta, tendo desde sempre sentido especial ligação “às coisas do ar”, desenvolvendo uma estreita ligação entre a fotografia, a aviação e em especial com a fotografia aérea e a sua particular ligação à Hidráulica.
    Participou em alguns concursos fotográficos:
    - 3º Prémio do VI Concurso de Fotografia da Revista MAIS ALTO - 1997 - Revista oficial da Força Aérea Portuguesa, e
    - 1º Prémio do VI1 Concurso de Fotografia da Revista MAIS ALTO - 1998

    Constituiu, em 1998, a empresa FOTO ENGENHO, Projectos e Serviços de Fotografia Lda, vocacionada para a realização de serviços fotográficos e de imagem, com especial incidência nas áreas de:
    - Fotografia Aérea;
    - Fotografia de Engenharia,
    - Fotografia Industrial
    - Fotografia de Aviação.

    Até esta data realizou distintos trabalhos, salientando-se a realização de campanhas de Fotografia Aérea ao longo de toda a Costa Atlântica portuguesa, sobre rios, albufeiras, caminhos de ferro, Metro do Porto, PORTO 2001, etc.
    Paralelamente realizou algumas exposições, nomeadamente:
    - Participação na Exposição Colectiva “VI FIXART”, Torres Vedras - Abril 1998.
    - Exposição individual “VOAR - O Verdadeiro Sentido do Éter”, (fotografia de aviação) em Santa Cruz, em Junho 1999, e na Póvoa de Varzim em Abril 2000.
    - Expôs trabalhos integrantes das Comemorações dos 50 da Força Aérea Portuguesa.

    As imagens a expor serão uma colecção de fotografias aéreas do tipo “fine art”, centradas sobre detalhes do nosso Portugal, procurando apresentar perspectivas não usualmente retratadas e, ao mesmo tempo, que anulem a existência de referências espaciais.
    Assim, a partir do enfoque no detalhe e na anulação de referentes mais decifráveis, pretende-se com estas imagens transportar o observador para narrativas, que só a ele lhe pertencem e, de certo modo, explorar na fotografia aérea novos campos de fruição.


    De 22 de agosto a 3 de setembro 2016

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Comemoração do 1º aniversário da Associação Cultural Póvoa Ontem e Hoje




     

    No próximo sábado, dia 30 de Julho, pelas 16h00, na Biblioteca Diana Bar vai-se assinalar o 1º aniversário da “Associação Cultural Póvoa Ontem e Hoje”.

    No ano de 2015 foi criada a Associação Cultural Póvoa Ontem e Hoje , com o objetivo de recolha de património fotográfico/visual da cidade que testemunham e complementam a história da Póvoa e das suas gentes.

    Programa

  • Pequeno Documentário sobre a Lancha Poveira
  • Palavras do Presidente da Associação José de Azevedo
  • Momento musical com Adélia Vareiro
  • Momento musical com o barítono Luiz Filipe
  • Momento de Poesia com Albina Dias
  • Apresentação dos 4 elementos que vão integrar os òrgãos sociais da Associação Cultural Póvoa Ontem e Hoje
  • Momento poético e musical surpresa
  • Atuação da Tuna Os DinosSéniores
  • Momento dos parabéns e do bolo de aniversário


    Dia 30 de Julho 2016, 16h

    Na Biblioteca Diana Bar




  • Encontro com Paula Oliveira
    “Histórias sem Eira nem Beira”




     

    No âmbito das atividades de animação das Bibliotecas de Praia, na quarta-feira, 20 de julho, às 15h00, a escritora Paula Oliveira estará no Diana-Bar para uma sessão de contos para crianças e pais com o livro “Histórias sem eira nem beira”.

    Um momento lúdico-pedagógico a não perder com esta maravilhosa contadora de histórias.

    Neste livro serão contadas histórias simples para viajar sem sair do lugar. Umas levam-nos para o mar, mas outras há que nos direcionam para as montanhas. Muitas emoções, aventuras, mistérios e afetos povoam todas elas fazendo-nos sorrir e acreditar num mundo melhor.



    Dia 20 de julho 2016, 15h00

    Na Biblioteca de Praia Diana Bar




    Encontro com a escritora e ilustradora Milu Loureiro




     

    Milu Loureiro

    Nasceu nos dias longos e quentes do verão numa vila da Beira Alta, Aguiar da Beira. No colégio da vila fez os seus estudos até ao atual nono ano. Após o secundário, no então Liceu Nacional de Lamego, ingressou na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde se licenciou em Filologia Românica. A partir daí dedicou-se ao que sempre gostou de fazer: ensinar. Desempenhou, durante alguns anos, a função de professora bibliotecária. Foi no desempenho desta grata missão que redescobriu a paixão pelas histórias. Foi na Biblioteca Escolar, a contar histórias aos mais pequenos, que esta paixão se reacendeu. Depois, passar ao ato da escrita foi um passo. As histórias começaram a surgir, começaram a tomar forma. Uma, duas, três, quatro… e já lá vão mais de uma vintena, à espera… Entretanto deixou o ensino para se dedicar à escrita, ilustração, narração, confeção de tapetes narrativos e livros de pano.
    Tem feito formação na área da narração oral, com Clara Haddad e outros.
    Está representada em três coletâneas de contos.
    Participou em 2 exposições coletivas de pintura.
    Exposição individual de tapetes, livros de pano, ilustrações, pinturas na Biblioteca Municipal de Montemor-O-Velho.
    Exposição individual de tapetes, livros de pano, ilustrações, pinturas na Biblioteca Municipal de Cantanhede, agendada para o mês de junho.

    Bibliografia

  • O esquilo que amava as palavras e outras histórias, 2010, (autoria)
  • A mantinha de retalhos, 2013, (autoria)
  • El-Rei comilão, 2013, (autoria e ilustração)
  • Castanho e Branco, 2014 (ilustração)
  • A manta que dava abraços, 2015, (autoria e ilustração)
  • A Sinfonia Pastoral de André Gide, 2015, (tradução adaptada)
  • Nem todos os pardais são pardos, a aguardar publicação (autoria).

    Dia 15 de Julho 2016, 15h

    Na Biblioteca Diana-bar




  • Exposição de Pintura de AMAL




     

    AMAL, ou Américo Alberto, é pintor autodidata e considera-se amador. Nasceu em 1944 no concelho de Resende e mudou-se para a Póvoa de Varzim em 1979. Após a reforma viu na pintura uma forma de ocupar o seu tempo livre, servindo-se de revistas de especialidade para aprender várias técnicas. Participou já em várias exposições coletivas e individuais.

    “Alguns anos após me reformar, para passar o tempo, lembrei-me pegar nos pinceis e fazer uma experiencia na pintura, essa experiência acontece em Novembro de 2005.
    Comecei por me orientar em revistas da especialidade. Inicialmente dedico-me á paisagem, pintando em papel a acrílico, em breve deixo o acrílico e viro-me para o óleo, continuando a pintar em papel, só nos finais de 2006 comecei a pintar em tela.
    Em 2007 experimento pintar flores e natureza morta.
    Em 2008 atrevo-me a pintar abstracto e nu.
    Fiz sete exposições, sendo quatro no Diana-Bar.”



    Na Biblioteca Diana-Bar

    De 20 de julho a 20 de agosto 2016




    Feira da Saúde




     

    Com o objetivo de angariar fundos para a ala Pediátrica do IPO do Porto e, ao mesmo tempo, divulgar boas práticas para a prevenção de doenças comuns na comunidade, vão ser realizados rastreios de saúde geral, oftalmologia, podologia e medicina dentária. Domingos Gomes, especialista em Fisiologia do Exercício, Traumatologia médica, medicina aeroespacial, avaliação e aptidão medico-desportiva, irá realizar uma palestra no dia 22, às 21h00. Já no dia 23, haverá uma aula de zumba, desta feita no Auditório da Lota. Bruno Alves, jogador profissional de futebol, é o padrinho deste evento.

    Palestra de Abertura
    com o Dr. Domingos Gomes
    dia 22 pelas 21h

    Rastreios
    nos dias 23 e 24
    - Saúde Geral
    - Oftalmologia
    - Podologia
    - Dentária

    Aula de ZUMBA
    dia 23 pelas 15h
    no auditório da Lota

    Organização: Lions Club da Póvoa de Varzim
    Apoio: Câmara Municipal da Póvoa de Varzim



    De 22 a 24 de julho 2016

    Na Biblioteca Diana Bar




    Sessão Pública - Desativação WindFloat




     

    O período de testes da plataforma eólica offshore WindFloat chegou a fim após cinco anos de operação da turbina com dois megawatts (MW) de potência e da injeção na rede elétrica nacional de mais de 17 gigawatts hora (GWh) de energia, cobrindo o consumo de eletricidade de mais de 1400 famílias. Os cinco anos de atividade do Windfloat provaram a fiabilidade da solução tecnológica em condições climatéricas adversas.

    O consórcio liderado pela EDP Inovação irá organizar uma sessão pública, que decorrerá no dia 6 de Julho às 11 horas nas instalações da biblioteca Diana-Bar na Póvoa de Varzim, para divulgação das principais conclusões dos cinco anos de testes do dispositivo no mar e para comunicação das operações de desativação do projeto que irão decorrer em breve.

    Por razões logísticas apenas é necessária confrmação de participação através do email mail@wavec.org ou telefone 21 8482655.



    Dia 6 de julho 2016, 11h

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     WavEC - site oficial  




    Café Concerto




     

    Organização Colégio de Amorim

    Sinopse
    Para comemorar e assinalar a finalização de um ano letivo repleto de aprendizagens, os alunos das atividades extracurriculares do Colégio de Amorim, sob a orientação dos seus professores, tomaram a iniciativa de dinamizar uma nova edição de um Café Concerto aberto a toda a comunidade. Com este momento de partilha artística, pretende-se presentear a audiência com atuações musicais de piano, de guitarra clássica, de guitarra eléctrica e de bateria, pontuadas pela participação do grupo de Expressão Dramática do Colégio de Amorim. Assim, durante, sensivelmente, duas horas, assistiremos a um conjunto de atuações que refletem o trabalho, a dedicação e o empenho de todos os envolvidos nesta atividade que temos gosto em dar a conhecer e a partilhar.

    Encontramo-nos por cá!



    Dia 22 de junho 2016, quarta-feira, 20h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




    FatiArte - Exposição de trabalhos em ponto de cruz




     

    “Para mim bordar em ponto de cruz é uma paixão de há longos anos. Comecei a bordar aos 13 anos de idade, nessa altura comecei por bordar camisolas poveiras.
    Mas há alguns anos atrás tenho-me dedicado a bordar arte sacra e fotografias, a pedido de amigos e encomendas que fui tendo ao longos destes anos.
    Executar ponto de cruz é como sentir uma paz de espírito.
    Tenho sido influenciada por muita gente a expor os meus trabalhos, onde me dizem que são dignos de se ver, ora como surgiu uma hipótese de os expor vou seguir com esta ideia e dar a conhecer até onde pode ir o ponto de cruz."



    De 1 a 18 de julho 2016

    Na Biblioteca Diana-Bar




    Portugal Open Mahjong Championship




     

    Informação POMC 2016

    Data do torneio: 11-12 Junho 2016
    Local: Edifício da Associação Empresarial de Póvoa de Varzim
    Inscrição: 50 €
    (Inclui: catering, almoço ligeiro de Sábado, Jantar de Sábado e Almoço de Domingo.)
    Data limite de inscrição: 4 Junho 2016
    Regras: Regras de Competição de Mahjong (RCM)
    Modalidade do torneio: 6 sessões de 120 minutos.
    Limite de jogadores: 72 jogadores.

    O idioma oficial do torneio é o inglês. O que quer dizer que durante o decorrer das partidas fala-se e contam-se os pontos em inglês.


    Outras atividades

    Decorrem também as seguintes atividades:

  • Almoço ligeiro (sábado 11 de Junho): incluído na inscrição
  • Jantar Tradicional (sábado de 11 de Junho): incluído na inscrição
  • Almoço Ligeiro (Domingo 12 de Junho): incluído na inscrição

    Catering durante o torneio
    Café, chá, agua, sumos, fruta e pastelaria.

    Assistência ao torneio de espectadores
    Durante o torneio estarão abertas as portas da sala aonde se realizam as partidas e pode-se assistir de uma forma gratuita ao decorrer do torneio.
    Solicita-se silêncio durante as partidas.

    Programa do torneio

  • Sexta-feira 10 de Junho
    17h00 - 20h00: Chegada de jogadores. Inscrição
    20h00 - 20h15: Cerimónia de boas vindas

  • Sábado 11 de Junho
    09h00 - 09h20: Registo diário
    09h20 - 11h20: 1ª Partida
    11h20 - 11h40: 20 min. Intervalo
    11h40 - 13h40: 2ª Partida
    13h40 - 15h20: Almoço
    15h20 - 17h20: 3ª Partida
    17h20 - 17h40: 20 min. Intervalo
    17h40 - 19h40: 4ª Partida

  • Domingo 12 de Junho
    09h00 - 09h10: Registo diário
    09h10 - 11h10: 5ª Partida
    11h10 - 11h30: 20 min. Intervalo
    11h30 - 13h30: 6ª Partida
    13h40 - 14h00: Prémios

    Informação do torneio
    O torneio POMC, junto com o Campeonato de mahjong de Espanha, constituem o Torneio Ibérico. O jogador com mais pontos que tenha participado nos 2 torneios será o campeão ibérico.
    O torneio tem certificado 2 pontos MERS para o ranking europeu de mahjong.
    O torneio é constituído por 6 partidas de 2 horas cada uma a decorrer em 2 dias (11 e 12 de Junho ):

  • Jogam-se 4 partidas no primeiro dia (sábado).
  • As 2 restantes partidas na manhã do segundo dia (domingo).
    As pontuações de mesa serão de 1, 2 e 4 pontos para os 3 primeiros classificados.
    Haverá una competição individual e outra por equipas. Todo o jogador deve formar parte de uma equipa. Se não faz parte de nenhuma equipa será incluído numa.
    No torneio joga-se com fichas sem numeração Arábica, do tamanho 5 (26x35x19 mm, largura x altura x espessura).
    Há prémios individuais para os 10 primeiros. Também há um premio para a melhor equipa.
    Observador oficial da EMA: Por decidir
    Arbitro chefe do torneio: Por decidir
    Árbitros: Por decidir

    Regras do torneio

  • Regras de Competição de Mahjong - Livro verde (7.7 MB)
  • EMA - Regras de competição

    Dias 11 e 12 de Junho 2016

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     União Portuguesa de Mahjong  




  • Sessão de Lançamento do “LIVRO DO CENTENÁRIO DO VARZIM SPORT CLUB”




     

    No âmbito das comemorações, a Comissão do Centenário do Varzim Sport Club informa os associados e poveiros em geral da cerimónia de lançamento do “LIVRO DO CENTENÁRIO DO VARZIM SPORT CLUB” no próximo dia 4 de Junho, sábado, pelas 21.30 horas no DIANA BAR.

    Nesta obra de divulgação da história do nosso clube constituída por 416 páginas ilustradas e a cores, em formato 33x24, constam as MENSAGENS do Presidente da Comissão do Centenário, do Presidente Câmara Municipal, do Presidente Varzim S.C, do Presidente Federação Portuguesa Futebol, do Presidente Liga Futebol Profissional e do Presidente Associação Futebol do Porto.

    Fazem parte da obra os seguintes temas:

  • I – História do Varzim Sport Club: da fundação ao momento atual
  • II – Presidentes do Clube; Órgãos Sociais e Conselho Varzinista
  • III – História Desportiva: da fundação ao momento atual
    - Fotos e identificação das equipas seniores, resultados e classificações.
    - Fotos e identificação das equipas Departamento da Formação.
    - Estatísticas: marcadores dos golos na 1ª Divisão Nacional, palmarés.
    - Notas relevantes; “ viveiros do Varzim “; hinos do Clube e “velhas guardas”.
  • IV – O Varzim não é só futebol: as modalidades amadoras e atividades culturais
  • V – As comemorações do Centenário
    - Apresentação da Comissão.
    - Palestra de Abílio Travessas, ex-atleta do Varzim.
    - Colóquio de Vítor Serpa diretor do jornal A BOLA.
    - Exposição documental do Centenário na Biblioteca Municipal Rocha Peixoto.
    - Exposição de desenhos sobre a história do Varzim na Escola Flávio Gonçalves.
    - Gala do Centenário no Casino da Póvoa.

    Apelamos à presença de todos.

    A Comissão do Centenário



    Dia 4 de Junho 2016, 21h30

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     Página da exposição documental  




  • Dia Internacional dos Monumentos e Sítios




     

    Em 2016, o tema do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios celebrado pelo ICOMOS a 18 de abril é: O Património do Desporto. (+)

    O desporto faz parte do património de todo o homem e de toda a mulher e nada poderá jamais compensar a sua ausência
    – Pierre de Coubertin


    O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi criado pelo ICOMOS (Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios) a 18 de abril de 1982, e aprovado pela UNESCO no ano seguinte, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para a diversidade e vulnerabilidade do património, bem como para o esforço envolvido na sua proteção e valorização. Celebrando o património nacional, comemora também a solidariedade internacional em torno do conhecimento, da salvaguarda e da valorização do património em todo o mundo.

    Em cada país, é promovido, anualmente, um programa de atividades a nível nacional, cujo acesso, na grande maioria, é gratuito. A DGPC promoverá a divulgação do programa nacional do DIMS 2016, procurando cativar um cada vez maior público para estas comemorações.

    O espírito aberto do DIMS, tendo como objetivo primeiro sensibilizar as comunidades para a valorização dos seus Patrimónios, abre também a possibilidade de, independentemente do tema específico proposto para este ano - Desporto, um Património Comum -, as entidades promotoras das iniciativas poderem apresentar a programação de atividades relacionadas com outros temas patrimoniais.
    Fonte


    Selecção bibliográfica

  • BAYER, Claude – O ensino dos desportos colectivos. Lisboa: Dinalivro Editores, 1994. ISBN: 972-576-086-7. Cota: 796.01-BAY.
  • BENTO, Jorge Olímpio – Contextos da pedagogia do desporto: perspectivas e problemáticas. Lisboa: Livros Horizonte, 1999. ISBN: 972-241-067-9. Cota: 706.01-BEM.
  • BENTO, Jorge Olímpio – O outro lado do desporto: vivências e reflexões pedagógicas. Porto: Campo das Letras Editores, 1995. Cota: 796/799-BEN.
  • BOTA, Ioan; COLIBABA-EVULET, Dumitru – Jogos desportivos colectivos: teoria e metodologia. Lisboa: Instituto Piaget, 2001. ISBN: 972-771-372-6. Cota: 796.015-BOT.
  • BRITO, António de Paula – Psicologia do desporto para atletas. Lisboa: Editorial Caminho, 2007. ISBN: 978-972-21-1872-9. Cota: 796.01-BRI.
  • CARDOSO, Carlos (coordenação) – O papel das federações na concepção do modelo europeu do desporto: actas do simpósio. Algés: Confederação do Desporto de Portugal, 2002. ISBN: 972-955302-5. Cota: 796.01-PAP.
  • CARVALHO, A. Melo de – O clube desportivo popular: função social, inovação, cultura e desenvolvimento. Porto: Campo das Letras Editores, 2001. ISBN: 972-610-303-7. Cota: 796/799-CAR.
  • CARVALHO, Alfredo Melo de – Desporto e autarquias locais: uma nova via para o desenvolvimento desportivo nacional. Porto: Campo das Letras Editores, 1994. ISBN: 972-8146-11-6. Cota: 796/799-CAR.
  • CONSTANTINO, José Manuel – Desporto e municípios. Lisboa: Livros Horizonte, 1994. ISBN: 972-24-0858-5. Cota: 796/799-CON.
  • CORREIA, Abel; COSTA, César; MAMEDE, Paulo; SACAVÉM, António – Serviços de qualidade no desporto piscinas, polidesportivos e ginásios. Lisboa: Centro de Estudos e Formação Desportiva, 2003. ISBN: 972-8460-33-3. Cota: 796.02-SER.
  • Desporto e cooperação: a cooperação portuguesa no domínio do desporto. Lisboa: Secretaria de Estado do Desporto, 1998. ISBN: 972-8460-01-5. Cota: 796.01-DES.
  • Desporto no século XXI, (O): os novos desafios. Oeiras: Câmara Municipal, [s.d.]. Cota: 796.01-DES.
  • MARIVOET, Salomé – Hábitos desportivos da população portuguesa: estudo da procura da prática desportiva. Lisboa: Centro de Estudos e Formação Desportiva, 2001. ISBN: 972-8460-27-9. Cota: 796/799-MAR.
  • MARREIROS, João – Jogos olímpicos e olimpismo. [S.l.]: Edição de Autor, 1988. Cota: 796.032.2-MAR.
  • MEIRIM, José Manuel – Segurança e seguranças desportivas. Lisboa: Livros Horizonte, 2007. ISBN: 978-972-24-1488-3. Cota: 796.02-MEI.
  • NEVES, José; DOMINGOS, Nuno (coordenação) – Uma história do desporto em Portugal. Vila do Conde: QuidNovi Editores, 2011. ISBN: 978-989-554-887-3. Cota: 796/799(091)(469)-UMA-1 e 3).
  • SÉRGIO, Manuel – Desporto em democracia. Lisboa: Seara Nova, 1976. Cota: 796/799-SER.

    De 16 a 30 de abril 2016

    Na Biblioteca Diana-Bar

    Ver também:

          •     Direcção-Geral do Património Cultural  

          •     Dia Internacional dos Monumentos e Sítios - Tema 2016  

          •     Conselho Iinternacional de Momumentos e Sítios  




  • Lançamento do livro
    “Amar com palavras”




     

    Afrodite Anuket Freud Vénus Ovídio
    Dionísio Eros Petrarca Freyja Vatsyayana
    Huitaca Kãmadeva Seuísca Lilith Marquês de Sade
    Tlazoltéotl Darwin...

    Benedita Stingl apresenta-nos uma história sobre o comporta-mento sexual humano e o gozo dos sentidos. Tudo pode ocorrer, em qualquer momento, entre um homem e uma mulher, pois, como diz Vatsyayana “o amor não se incomoda com o tempo ou ordem”.

    Surpresa Enrubescimento Desafio Culpa
    Amor Sexo Dádiva
    Satisfação Luxúria Obstinação
    Medo Riso Lágrimas
    Malícia Ciúme Depressão
    Emoção Afeto Sofrimento
    Melancilia Cumplicidade Nojo...

    AMAR COM PALAVRAS é um conto ao redor do mundo, com uma impressionante uniformidade entre estrutura corporal e confor-mação mental da raça humana.



    Benedita Stingl nasceu em Fafe a 1 de junho de 1963.É Enfermeira desde 1985 e trabalhou em vários Hospitais. Lecionou na Escola Superior de Enfermagem de Santa Maria, no Porto.

    É também Esteticista desde 1993 mas, mantém a Enfermagem como profissão, no espaço Estética e Arte, na Póvoa de Varzim, direcionando-se para patologias do foro dermatológico. Ao mesmo tempo, promove a arte nas várias vertentes: literatura, pintura, fotografia, escultura e moda.É sócia da Associação Portuguesa de Escritores e do Núcleo de Artes e Letras de Fafe. Participa nas coletâneas: Perfil, Olhares, Vozes Várias, Mar de Manhãs, Palavras de Cristal; nas Antologias: VII Festival de Poesia do Baixo Minho, Poetas de Sempre, Sarapicos de Natal e na revista: O Escritor da A.P. E.Figura nas duas edições do Dicionário dos Fafenses.

    Em 2002 é agraciada com o Prémio Artes e Letras do Povo de Fafe e Prémio da Cultura Microfones de Ouro do Correio de Fafe. Em 2004 participa no evento: Poesia na Rua, ano em que de novo é galardoada com o Prémio da Cultura - Microfones de Ouro do Correio de Fafe.Em 2006 interpreta imagens de Rui Sousa sobre a Póvoa de Varzim na Galeria de Arte Ramos Pereira. Na Régua complementa com textos a exposição de José Constantino - fotografia - Do Porto à Régua. No ano letivo 2007/08 leciona Biologia Humana - Anatomia /Fisiologia - na Escola EB 2/3 Júlio Saúl Dias em Vila do Conde.Em 2009 participa na Bertrand num workshop com Ana Stingl e Luís Henrique Stingl, ilustradores do livro A Ponte dos Sonhos - Estórias com Rima. Em 2011 este título é inserido no Plano Nacional de Leitura, para o 3º ano do 1º ciclo. Durante este ano apresenta a sua obra aos alunos do 7º ano da Escola Rocha Peixoto, na Póvoa de Varzim e divulga Pela Mão das Palavras - Descobrir Rimando, na Fnac do Marshopping, na Escola de Costa Cabral no Porto e, com Luís Henrique Stingl na EB1/JI de Paços de Ferreira.Em 2012 na Escola do Desterro - Agrupamento Dr. Flávio Gonçalves - Póvoa de Varzim, comenta os seus títulos na vertente didática. No Agrupamento de Escolas de Paços de Ferreira intervém nos colóquios de literatura infantil e no livro - Em defesa do Património - Homenagem a Miguel Monteiro, no âmbito das III Jornadas Literárias de Fafe.Em 2013 juntamente com Luís Henrique Stingl, contata com alunos do 5º ano, divulgando Pela Mão das Palavras e O Meio Rimar num workshop de Desenho e Leitura, no centro de estudos Trevo do Sucesso, em Santo Tirso.

    Ainda neste ano, participa no livro Fafe, Meu Amor - textos e imagens sobre o concelho, de Artur Ferreira Coimbra; faz a introdução da obra Flávio Gonçalves - Um Outro Olhar - de Maria José Andrade e é oradora na palestra: O Sindicalismo e a Literatura - na Biblioteca Municipal do Porto, inserida nas Comemorações do Centenário do Sindicato dos Enfermeiros.Em 2014 intervém na semana da leitura em Fafe e na Póvoa de Varzim. É convidada pela AV Conteúdos Editoriais a participar no evento - As Artes Vão ao Mercado - Prémio Imagens e Letras - realizado no mercado do Bom Sucesso, no Porto, bem como nas Jornadas Lusófonas, realizadas na Trofa. Ainda no corrente ano é eleita para comemorar o sétimo aniversário do Grupo de Comunicação Novembro, com o livro O Destino das Águas, em edição trilingue, a bordo de um Cruzeiro no Douro.

    OBRAS DA AUTORA

  • Momentos ( poesia ) - 1993
  • Marés (poesia) - 1994
  • Vento do Sul (poesia ) - 1995
  • Além do Acaso ( poesia ) - 1996
  • Corpo Escrito (poesia e prosa poética) - 1998
  • Cinco Raízes de Tempo (coletânea) - 1999
  • Mulheres de Chuva (poesia - narrativas - prosa poética) - 2000
  • Quando o Silêncio Fala (poesia) - 2001
  • O Jardim da Razão (teatro) - 2001. Levado à cena em A. do Heroísmo - 2003 e em Fafe - 2004
  • Estórias de Cal e Eucalipto (narrativas) – 2002
  • A Pele do Horizonte (poesia e prosa poética) - 2003- (10 anos de carreira literária)
  • No Olhar dos Dias (crónicas) - 2005
  • Enquanto as Árvores Dormem (teatro) - 2005. Levado à cena em Fafe - 2009 e 2014
  • O Chapéu de Palha (conto ilustrado) - 2005
  • Setembro ou Renascer (poesia) - 2005
  • Lugares de Ontem Instantes de Hoje (prosa poética) - 2006
  • O Destino das Águas (prosa poética) - 2007
  • Cantos e Recantos (prosa poética) - 2007
  • O Discurso dos Mudos (teatro) - 2008
  • A Ponte dos Sonhos - Estórias com Rima - 2009 - inserido no Plano Nacional de Leitura de 2011
  • Pela Mão das Palavras - Descobrir Rimando - 2010
  • O Meio a Rimar - Vamos Estudar - 2011
  • Entre Linhas (prosa poética /bilingue) - 2012
  • As Roupas Também Falam - Na Viagem do Tempo - 2013 (20 anos de carreira literária)
  • O Destino das Águas (poesia/ trilingue) - 2014

    DISCOGRAFIA

  • Horizontes da Eternidade - Poemas em Voz Alta – 2000

    OSTAIS

  • Açores - Penumbras e Palavras - ( S .Miguel, Terceira, Faial, Pico e S. Jorge )-2000/01
  • Natal - Entre a Sombra e a Luz - 2004
  • Póvoa de Varzim - À Margem do Sal -2005
  • Fafe - O Sabor do Tempo - 2005
  • Amiais de Cima - Pássaros de Terra - 2006
  • Agosto - Um Olhar Azul - 2007
  • Uma Outra Pele - Como a Tua -2008
  • Póvoa de Varzim - Mar e Amar - 2009
  • Luas de Verão - 2010
  • Londres - Quando o Tempo Voa/bilingue - 2012
  • MSC Splendida - 2012
  • Revelhe - Casa das Eirinhas - 2013
  • São Gens - Quinta do Vale - 2014

    Dia 22 de abril 2016, sexta, 21h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




  • Hora do Conto - “O segredo do Ouriço Vitorino”




     

    "O segredo do Ouriço Vitorino"
    Autor: Ricardo Picão Rodeia
    Ilustrações: Sandra Cancela
    Arranjo gráfico: Delfim Fernandes

    Era uma vez um ouriço chamado Vitorino.
    Era um ourço velho, grande e gordo!
    Apesar da sua idade, vivia ainda muito alegre e contente.

    Mas como todos os animais que são velhos...
    um dia, há muito, muito tempo atrás,
    já tinha sido um ouriço pequenino.
    Como as crianças!

    Começa assim a história que temos para contar.
    No próximo dia 20 de abril, na Biblioteca Diana-bar, visite-nos e assista à Hora do Conto



    Dia 20 de abril 2016, quarta-feira, 10h30

    Na Biblioteca Diana-Bar




    ESTENDAL POÉTICO - Dia Mundial da Poesia




     

    Com o objectivo de comemorar o Dia Mundial da Poesia o “Estendal Poético” consiste na suspensão de poemas seleccionados em cordas.

    Poesia seleccionada

  • Admário Ferreira – “Saudação”
  • Alexandre Pinheiro Torres – “Conjugando o verbo poetizar”
  • António Bessa de Queiroz – “O mar – IV”
  • António Nobre – “Soneto aos pescadores”
  • Bernardino da Ponte – “Boas festas do poeta”
  • Flávio Gonçalves – “Balada da beira-mar”
  • Francisco Gomes de Amorim – “Primavera”
  • José Carlos de Vasconcelos – “O princípio do mundo”
  • Luísa Dacosta – “Marés”
  • Neca Vasconcelos – “O livro e a poesia”
  • Ruy Monte – “Póvoa de Varzim”
  • Vergílio Alberto Vieira – “Poveiros”
  • Viriato Barbosa – “Póvoa do Mar”
  • Alice Vieira – “O que doí às aves (Dos velhos dias – 4)
  • Sophia de Mello Breyner Andresen – “Casa branca”

    De 21 a 26 de março 216

    Na Biblioteca Diana-Bar

    Ver também:

          •     Galeria de imagens  

          •     Poesia selecionada  




  • Hora do Conto “O coelhinho apaixonado”




     

    Hora do Conto
    O Coelhinho apaixonado

    "sei que um dia te irás embora, porque és um coelhinho bravo. Mas também eu serei crescido e não terei tempo para passar os dias contigo. Agora vou-te levar ao bosque para darmos um passeio"

    Texto e ilustração de Matal
    Tradução de M. Alice Moura Bessa
    Porto: Livraria Civilização, 1980

    Atelier – “Coelho da Páscoa”
    Depois de ouvirem a história do Coelhinho, as crianças terão oportunidade de construir um coelhinho da páscoa com cartolinas e outros materiais reciclados.



    Dia 30 de março 2016, quarta, 10h30

    Na Biblioteca Diana-bar




    “Estante de Poesia”




     

    Alguns dos títulos em destaque




  • Conversas com versos – Maria Alberta Menéres
  • Era uma vez…ciência e poesia no reino da fantasia – de Regina Gouveia
  • O meu primeiro álbum de poesia – de Alice Vieira
  • O Ratinho poeta – de Luísa Dacosta
  • Os melhores poemas para crescer – de Rosa Lobato Faria
  • Poemas com asas – de Jorge Sousa Braga
  • Poemas para brincalhar – de João Manuel Ribeiro
  • Rimar e cantarolar – de Maria da Conceição Vicente
  • Verso a verso – vários
  • Versos de não sei quê – antologia poética
  • Versos de palmo e meio – de António Manuel Couto Viana
  • Versos para os pais lerem aos filhos em noites de luar – Jose Jorge Letria

    O menino poeta

    Se estiver no Mar
    Chamem-me da Serra.
    Se estiver na Serra,
    Chamem-me do Mar.
    Podem-me chamar
    De qualquer dos sítios
    Que em qualquer dos sítios
    Eu me hei de encontrar.

    Brincando com algas,
    Se estiver na praia,
    Se estiver no mato
    Brincando com as flores;
    Cordeirinhos meios
    Acariciando,
    Dando aos peixes migas
    Se estiver no Mar
    - em qualquer dos sítios
    me podem achar.

    Sebastião da Gama
    In José Fanha, Poemas para um dia feliz, 2007



    De 21 a 31 de março 2016

    Na Biblioteca Diana-bar




  • Hora do conto “Caneta feliz”




     

    Dia 15, terça-feira, 10h30
    Hora do conto “Caneta feliz” de João Pedro Mésseder

    História de um menino apaixonado pela escrita e pelo objeto que a representa, a caneta. Retrata também os afetos, os sonhos e as viagens que o menino faz com o seu pai.

    11h00
    Atelier “Uma mensagem para o meu pai”

    com recurso a cartolinas e outros materiais as crianças são convidadas a fazer uma lembrança para o pai



    Dia 15 de março 2016, terça-feira, 10h30

    Na Biblioteca Diana-bar




    Lançamento do livro “Mais de Mim”




     

    Eu teria infindáveis motivos para, sobre o autor, verter os meus elogios e a amizade que nos une seria álibi inquestionável para todos os argumentos. Qeustiono-me, porém: de que valeriam eles perante singularidade que fecunda este livro? Esta página nada é sem as páginas que a sucedem, e elas, sim, merecem a vossa atenção, precisam da vossa atenção. (...) Neste livro esperam-vos vontades indomáveis, zangas transformadas, desejos expressos, gritos soltos, partilhas, abraços, sorrisos, Há verdades sacudidas e preconceitos ressuscitados e aniquilados.
    Ritmos cadenciados e saudosos. Cicatrizes a rebentar de revolta e paradoxalmente de resignação. Palavras e versos. Versos com sentido. Sentidos.

    (do prefacio de Cidália Fernandes)


    Discurso directo

    Com este "Mais de mim" procuro no buraco negro da consciência que habita o meu viver, as mensagens de vida que contando histórias, gritando revoltas, ou recordando sentires, fazem de mim um caminheiro de paixões, um peregrino de cruzadas, ou até e muito simplesmente um espelho de mim próprio.
    Partilhando depois dos "Fragmentos" da minha vida este "Mais de mim" serei em mim mesmo muito mais do que descubro, mas também muito mais do que sou!
    Espero que ao longo desta viagem por palavras, sentires, viveres eu possa encontrar-me ou reencontrar-me em cada um de vós entrando também dentro de vós!

    Com esta edição deixo aqui o meu público agradecimento a todos os que contribuíram para que este sonho se tenha tornado uma realidade, nomeadamente á Cidália Fernandes pela amizade e pelo simples mas magnífico prefácio e à Isilda Nunes pelo apoio e pelas magníficas ilustrações bem como à Seda Publicações pela edição e excelente execução gráfica.


    Álvaro Manuel Oliveira Maio nasceu no Largo do Cidral a 29 de Junho de 1960 na Póvoa de Varzim. Cresceu em Lourenço Marques – Moçambique onde fez grande parte da sua formação até ao ensino Industrial.
    Mais tarde de regresso a Portugal, estudou Desenho e projeto Industrial vindo a exercer a profissão de Desenhador-Projetista na área da metalo-mecânica. Estudou depois Jornalismo disciplina que lecionou durante dois anos no ensino público exercendo também como jornalista a profissão em várias rádios e jornais nacionais e locais. Hoje é Comercial numa empresa do ramo alimentar em Portugal tendo voltado em part-time ao jornalismo desportivo.
    A escrita vem já dos tempos de infância pois ainda muito jovem recebeu uma menção honrosa com a publicação do conto “A minha 1ª viagem ao sol” no Jornal de Noticias de Lourenço Marques em Novembro de 1969. Como autodidacta aprendeu a tocar alguns instrumentos musicais de onde sobressaem a guitarra e o piano, começando desde tenra idade a compor com letra e música da sua autoria salientando-se no escutismo e nos movimentos religiosos em que durante muitos anos tomou parte. Fez parte de alguns grupos corais religiosos e profanos e de alguns grupos de música ligeira nos tempos de juventude.
    Durante todos estes anos foi acumulando crónicas e poesias algumas das quais foram publicadas na antologia poética “FRAGMENTOS“ apresentada em Outubro de 2013 com que iniciou a sua vida editorial!
    Vencedor do Prémio “Poetas da Ria” de Aveiro subordinado ao tema do Dia Internacional da Mulher 2014, com o poema “Mulheres, mulheres“.
    Co-autor das antologias poéticas “Entre o Sono e o Sonho“ da Chiado Editora, “MAR-À-TONA HERÓIS DO MAR“ e “Cores do Mar” da Modocromia e “Ventos do Norte“ dos Poetas Poveiros e Amigos da Póvoa também editado pela Modocromia,”Ei-los que Partem”da Papel de Arroz Editora,e a “Arte pela escrita 8 “ da Mosaico de Palavras.
    Neste momento prepara a edição de livro de um de contos, estando a finalizar as gravações para a edição de um CD com canções originais da sua autoria.



    Dia 12 de março 2016, sábado, 21h00

    Na Biblioteca Diana Bar




    Exposição fotográfica
    "Equipas unidas, doentes seguros"




     

    "As imagens em exposição refletem o trabalho diário dos Enfermeiros Perioperatórios e pretende- -se, através destas, fomentar a proximidade do cidadão comum ao ambiente cirúrgico. Para além das equipas de profissionais de saúde com competências especializadas, com ênfase na comunicação e trabalho em equipa, é essencial o envolvimento e consciencialização dos cidadãos, como parte integrante destas equipas unidas.”
    AESOP, 2016.

    Para que esta exposição se materializasse, convidamos seis distintos fotógrafos da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, que amavelmente se dispuseram a colaborar. As imagens foram captadas no CHPVVC, nos serviços de Bloco Operatório Central – Unidade da Póvoa e na Unidade de Cirurgia de Ambulatório – Unidade de Vila do Conde, durante uma semana, em diferentes períodos do dia, num ambiente de produção cirúrgica normal e em contextos de trabalho distintos.

    Fotógrafos
    Gil Macedo Araújo
    João Brites
    José Novais
    Renato Cruz Santos
    Rita Rocha
    Rita Salgado



    De 15 de Fevereiro a 15 de Março 2016

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     Dia Mundial dos Enfermeiros Perioperatórios  




    Dia dos Namorados
    Atelier + História "Lenços dos Namorados"




     

    No dia 12 de Fevereiro será feito um atelier e contada a história dos Lenços do Namorados.

    Será falado ainda o tema do amor. Os mais novos terão a possibilidade de partilhar entre si o que para eles significa a palavra AMOR.

    LENÇOS DOS NAMORADOS

    Diz-se que a origem dos "lenços dos namorados" remonta aos séculos XVII - XVIII, quando as Senhoras bordavam para passar tempo, sendo que, ao longo dos tempos, foram sendo adaptados para as mulheres do povo.
    No início, estes lenços, faziam parte do vestuário feminino e tinham apenas uma função decorativa. Eram lenços quadrados, de linho ou algodão, bordados conforme o gosto de cada um.
    No entanto, estes lenços, tinham outra função: a conquista do namorado.

    Uma rapariga, quando chegava à idade de casar começava a bordar um lenço em linho ou algodão (tal e qual a Penélope de Ulisses ... mas custa-me a crer que a tradição venha daí ... o Homero era um ilustre desconhecido!).
    Depois de bordado, o lenço era entregue ao namorado ou "conversado" e era em conformidade com a atitude deste usar publicamente ou não, que se decidia o namoro. Se este aceitasse, poria o lenço por cima do seu casaco domingueiro, colocava-o ao pescoço com o nó voltado para a frente, usava-o na aba do chapéu ou até mesmo na ponta do pau que era costume o rapaz trazer consigo.
    Caso contrário, o lenço voltaria às mãos da rapariga. Se por acaso, ele aceitasse mas, mais tarde, trocasse de parceira, fazia chegar à sua antiga pretendida o lenço, e outros obejectos que lhe pertencessem, como fotografias, cartas... (a imaginação que as pessoas tinham... muito melhor do que as sms e os msn's todos do planeta... até para terminar o namoro eram criativos! ).

    Podia também acontecer, os lenços serem motivo de uma simples brincadeira ou troca de palavras. "Nas festas os rapazes tiravam os lenços das raparigas simulando uma ligação amorosa. Quando o rapaz já tinha namorada o facto de simular uma ligação com outra ao roubar-lhe o lenço era muitas vezes motivo de desavença entre a sua namorada e aquela a quem o lenço tinha sido roubado" ( bem ... para isto, não há tempo que cure! ).
    "Quando eram utilizados pelas suas "donas" no seu trajo de festa, estes eram colocados do lado direito da cintura, deixando pender uma das pontas, dando assim à sua indumentária uma graciosidade particular".

    Os lenços, representam o sentimento da rapariga em relação ao rapaz, no qual ela escreve pequenos versos de amor, ou símbolos. Damos conta muitas vezes, de erros ortográficos nestes lenços, que denunciam a falta de instrução da época.

    (...) Sendo bordados a ponto cruz, estes lenços eram muito trabalhosos e morosos, obrigando a "bordadeira" a ser muito paciente e cuidadosa na sua confecção.
    Com o passar dos tempos, foram-se adoptando outros tipos de pontos mais fáceis e rápidos de bordar. Com esta alteração a decoração inicial dos lenços modifica, as originais cores de preto e vermelho, vão dar origem a uma série de outras cores e outros motivos de decoração. Não se perdendo nunca, o objectivo principal!
    Fonte


    Canção dos Abraços

    São dos braços, são dois braços
    servem pra dar um abraço
    assim como quatro braços
    servem pra dar dois abraços

    E assim por aí fora
    até que quando for a hora
    vão ser tantos os abraços
    que não vão chegar os braços

    Vão ser tantos os abraços
    que não vão chegar os braços
    prós abraços vão ser tantos os abraços
    que não vão chegar os braços

    Sérgio Godinho canta com os amigos do Gaspar
    Universal Music, 2009



    Dia 12 de Fevereiro 2016, 10h30

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     Galeria de imagens  




    Dia Europeu dos Enfermeiros Perioperatórios




     

    A Associação dos Enfermeiros de Sala de Operações Portugueses – AESOP, promove a comemoração do Dia Europeu dos Enfermeiros Perioperatórios, no próximo dia 15 de Fevereiro com uma exposição de fotografia "Equipas unidas, doentes seguros" - patente na Bibliteca Diana-bar entre os dias 15 de Fevereiro e 15 de Março; e uma conferência com a mesma temática no dia 15 de Fevereiro pelas 15h15 a deccorer no mesmo espaço.

    Esta data foi instituída há 10 anos pela EORNA (European Operating Room Nurses Association) e é celebrada anualmente em toda a Europa.

    Para 2016 a EORNA definiu como tema agregadorde todos os países membros: “Equipas unidas, doentes seguros”.

    A segurança da pessoa durante o percurso cirúrgico tem sido uma preocupação das organizações e dos profissionais de saúde desde sempre, o 2º desafio lançado pela OMS, em 2007 “Cirurgia segura, salva vidas”, foi um marco importante na consciencialização desta temática.

    Muito se tem feito a nível mundial com este objetivo, mas muito tem de continuar a ser realizado para assegurar aos cidadãos, submetidos a uma intervenção cirúrgica, que o risco de complicações cirúrgicas é minimizado em qualquer instituição que presta cuidados de saúde nesta área.

    Para além das equipas de profissionais de saúde com competências especializadas, com ênfase na comunicação e trabalho em equipa, é essencial o envolvimento e consciencialização dos cidadãos, como parte integrante das equipas unidas. Só pessoas informadas e esclarecidas podem estar preparadas para a tomada de decisão no seu projeto individual de saúde e envolvidas na sua própria segurança.

    Os enfermeiros perioperatórios estão presentes em todas as fases do percurso cirúrgico (pré-operatório, intra-operatório e pós-operatório) e detêm competências especializadas para cuidar, envolver e capacitar a pessoa de forma a torná-la um membro efetivo da equipa.

    Para assinalar esta data, promovemos uma Exposição Nacional de Imagem, subordinada ao tema: “Equipas unidas, doentes seguros”, em que se pretende dar visibilidade ao trabalho desenvolvido pelos enfermeiros perioperatórios, fomentar a proximidade do cidadão ao ambiente cirúrgico e dar a conhecer o circuito do doente em contexto perioperatório. Fonte


    Programa

    15h00
    Abertura da Exposição Fotográfica
    15 de Fevereiro a 15 de Março

    15h15
    Conferência
    Equipas unidas, Doentes seguros
    Eduardo Lopes Coutinho
    Hélder Pereira
    Lúcia Casal
    Manuela Marques
    Mónica Macedo
    Moderador - Fernando Santos

    16h15
    Discussão

    16h30
    Coffe Break


    Inscrições | Entrada livre
    Un. Funcional de Formação do CHPVVC
    T: 252 690 600 Ext. 781/782
    Drª Sara Carvalho / Micaela Vera Cruz
    Email: formacao@chpvvc.min-saude.pt

    Organização
    Serviço de Enfermagem do
    Centro Hospitalar Póvoa de Varzim / Vila do Conde

    Parceria
    AESOP - Associação dos Enfermeiros de Sala de Operações Portugueses

    Apoio
    Câmara Municipal da Póvoa de Varzim



    Dia 15 de Fevereiro 2016

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     Assoc dos Enfermeiros de Sala de Operações Portugueses  

          •     Flyer  

          •     Exposição fotográfica  




    Máscaras de Carnaval




     

    Atelier

    No próximo dia 8 de Fevereiro, pelas 10h30, terá lugar na Biblioteca Diana-bar um atelier de construção de máscaras de carnaval.

    As fantasias de carnaval podem ser construídas pelos mais novos dando asas à imaginação.


    Dia de Carnaval

    Palavra mágica para os mais pequenos, o Carnaval é sinónimo de brancadeiras e fantasia. É numa terça-feira diferente que nos podemos transformar em Super-Heróis, Figuras Ilustres da História, Seres Fantásticos ou Personagens de Contos, dando largas à imaginação e pregando partidas, escondidos atrás de máscaras.

    Num mundo de faz-de-conta, crianças e adultos participam em animados cortejos ou em bailes de máscaras cheios de alegria e cor, que se prolongam por vários dias.

    Crê-se que as origens desta festa remontam à Antiguidade. Algumas civilizações já organizavam cortejos por entre multidões mascaradas. Mais tarde, estes festejos foram integrados no calendário da Igreja Católica.

    Paris terá sido a primeira cidade a organizar festas carnavalescas. Outras se lhe seguiram, como Veneza, que se celebrizou pelas suas misteriosas máscaras, ou Nova Orleães, na América, marcadas pelo ritmo do jazz e do blues. O célebre Carnaval do Brasil tem origem na tradição carnavalesca portuguesa. Em Portugal, são famosos os carnavais de Loulé, Ovar, Terres Vedras, Rio Maior, e Podence, entre outros.

    CARVALHAS, Maria Lúcia; PINHEIRO, Raquel, il. - Sabes que dia é hoje?. Rio de Mouro: Everest, 2008.


    SOARES, Luísa Ducla; Lopes, Maria João, il. - O livro das datas. Porto: Civilização, 2009.



    Dia 8 de Fevereiro 2016, 10h30

    Na Biblioteca Diana-bar

    Ver também:

          •     O que é o Carnaval  

          •     Carnaval em Portugal  

          •     Fazer máscaras (com áudio)  




    “Magos act”




     

    No dia 22 de janeiro, sexta-feira, a partir das 21h30, o Interact vai promover o “Magos act”, no Diana Bar.

    Trata-se de um evento solidário cujo objetivo será angariar livros infantis e brinquedos a favor do Instituto Madre Matilde. Haverá música, ginástica, bebidas e bolos caseiros. E para entrar basta levar um livro, brinquedo ou roupa para as crianças e jovens da instituição. O Interact é um programa do Rotary que consiste em clubes de prestação de serviços para jovens entre 12 e 18 anos. Embora sejam patrocinados por Rotary Clubs que os orientam e apoiam, os Interact Clubs são completamente autónomos.

    Os clubes podem apresentar quadro social bastante diversificado, originário de uma ou mais escolas da comunidade.

    Todos os anos, os Interact Clubs realizam pelo menos dois projetos de prestação de serviços, sendo um deles de cunho internacional. É através dos projetos que os interactianos desenvolvem uma rede de amigos em clubes locais e internacionais.

    Os projetos de prestação de serviços são parte fundamental dos Interact Clubs. Por intermédio das atividades de prestação de serviços, os interactianos aprendem a importância de desenvolver qualidades de liderança e integridade pessoal; prestar auxílio e respeitar o próximo; compreender o valor da responsabilidade individual e dedicação ao trabalho e promover a compreensão e boa vontade internacional.



    Dia 22 de Janeiro 2016, 21h30

    Na Biblioteca Diana-bar




    65 ANOS DE HISTÓRIAS
    Tertúlias - Capela Marta




     

    No âmbito das comemorações do 65º. aniversário da Capela Marta serão realizadas algumas tertúlias durante o ano 2016.

    A primeira está programada para o dia 23 de Janeiro no Diana Bar.

    A Capela Marta convida a conhecerem melhor a mística deste grupo.

    Aos ex-componentes da Capela Marta é feito o apelo para que se juntem e partilhem as suas lembranças.



    Dia 23 de Janeiro, sábado, 21h30

    Na Biblioteca Diana-bar




    Lançamento do livro "Ventos do Norte II" antologia poética




     

    A Antologia Ventos do Norte II é participada por cerca de 50 poetas, sendo o tema livre.

    No evento estarão presentes alguns declamadores dos poetas poveiros e convidados, e haverá ainda animação musical.



    Dia 12 de Dezembro 2015, 21h

    Na Biblioteca Diana-bar




    Lançamento do livro
    «Filhas do Desencanto”




     

    Rita Maria Gomes de Sá Ferreira nasceu a 10 de Dezembro de 1962, na Póvoa de Varzim. Licenciada em Serviço Social, pós graduada em Gerontologia Social e em Psicogerontologia, publicou, enquanto estudante, diversas poesias no Jornal A Voz da Póvoa e no Cantinho do Nicolau, suplemento infanto-juvenil do Jornal O comércio do Porto.
    Em 1984, colaborou na obra «...Para Amar», uma série de doze livros a propósito do Ano Internacional da Juventude, editada pelas Edições Salesianas, com poemas da sua autoria.
    Colabora desde o ano de 1992 no jornal mensário O Povo de Rio Tinto; e desde o ano de 2012 na revista semestral Ordem Viva.
    Em 1999, integra o livro Ilusões, Coletânea de Poetas Poveiros Contemporâneos, edição patrocinada pela Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.
    Publica em 2003, o livro de poesia Inquietudes.
    Publica em 2005, o livro de poesia Pedaços de Mar.
    Em 2015, integra a Antologia de Poesia Contemporânea Entre o Sono e o Sonho, editada pela Chiado Editora.


    Quando muito
    Pertenço aos que só acreditam no agora
    E se reinventam, cada dia, sem pensar amanhã.
    Este é o único privilégio da lembrança.
    Quando muito
    Pertenço à efeméride dos meus sentidos
    Por absolutividade dos mesmos, sem pensar amanhã.
    Este é o único privilégio da liberdade.
    Quando muito
    Pertenço por inteiro à génese dos meus monólogos
    Em consonância com todos os absurdos e sem pensar amanhã
    Este é o único privilégio do desencanto.
    Quando sempre,
    Entre a vivência e a sobrevivência
    Ficam as pessoas, algumas pessoas,
    Este é o privilégio dos afectos.

    Este livro foi escrito numa fase da minha vida em que me revi em todas as mulheres do mundo.
    A elas.



    Dia 5 de dezembro 2015, sábado, 21h30

    Na Biblioteca Diana Bar




    Lançamento do livro
    "Coimbra, cidade universitária da lusofonia: crónicas de afetos com pessoas dentro"




     

    Apresentação por José Macedo Vieira.

    Participação do grupo de fados "Amigos de Coimbra".


    “Hélder da Conceição Rodrigues nasceu em Coimbra. Engenheiro Químico Industrial com pós-graduação em Marketing pelo CPS-Oxford.

    A nível Profissional desenvolveu a sua carreira na Shell Portuguesa, Eurofil e finalmente Petro-Galp energia onde foi quadro superior, consultor e diretor comercial nacional e internacional.

    Regressado a Coimbra divide actualmente a sua atividade entre Lions Clube de Coimbra, Coro dos Antigos Orfeonistas da UC, Ass. Antigos Estudantes de Coimbra em Braga e Cronista do Diário As Beiras. Com este livro inicia um novo projecto na vida.

    Tendo por base as Crónicas de Opinião do autor, publicadas semanalmente no Diário As Beiras, este livro constitui um Hino de Coimbra para o Mundo a pensar em todos aqueles que querem uma Coimbra melhor e mais feliz e estão dispostos a colaborar tornando-se parte da solução.

    Fala do passado com respeito e admiração, do presente com espírito construtivo e virado para a acção, do futuro com determinação e esperança.

    Este livro pretende ser um acto de cidadania e de amor por esta cidade surpreendente, um desafia constante e permanente às nossas capacidades.”



    Dia 20 de novembro 2015, 21h30

    Na Biblioteca Diana-bar




     
    Biblioteca Municipal
    Rocha Peixoto

    Rua Manuel Lopes
    4490-664 Póvoa de Varzim

    +351 252 616 000
    biblioteca@cm-pvarzim.pt


    <b>Biblioteca Municipal  Rocha Peixoto</b>  Rua Manuel Lopes  4490-664 Póvoa de Varzim   +351 252 616 000  biblioteca@cm-pvarzim.pt











    Ano Europeu do Património Cultural 2018
    Ano Europeu do Património Cultural 2018 Ano Europeu do Património Cultural 2018

    Repositório Digit@l  João Francisco Marques
    Repositório Digit@l
    João Francisco Marques
    Repositório Digit@l  João Francisco Marques



    Repositório Digit@l  ROCHA PEIXOTO
    Repositório Digit@l
    ROCHA PEIXOTO
    Repositório Digit@l  ROCHA PEIXOTO

    saber mais
    saber mais saber mais

    biblioteca | início  
    ...
      Câmara Municipal da Póvoa de Varzim
     
    . | . | .

    [ (c) 1995-2016 Biblioteca Municipal Rocha Peixoto - Póvoa de Varzim ]