Imprimir esta página   Enviar esta página por e-mail   Consultar estatística do site   Contactar serviços
Flash Menu Placeholder.





















<i>Póvoa de Varzim</i> boletim cultural exposição documental
Póvoa de Varzim
boletim cultural
exposição documental
<i>Póvoa de Varzim</i> boletim cultural exposição documental

As minhas sugestões
As minhas sugestões As minhas sugestões PDF

A Póvoa de Varzim e a Grande Guerra
A Póvoa de Varzim e a Grande Guerra A Póvoa de Varzim e a Grande Guerra

Guia <b>501 filmes para ver durante a vida</b>.    Última versão
Guia 501 filmes para ver durante a vida. Última versão Guia <b>501 filmes para ver durante a vida</b>.    Última versão PDF

Filmes DVD entradas em 2018
Filmes DVD
entradas em 2018
Filmes DVD entradas em 2018 PDF

online:
hoje: 159 
ontem: 561 
este mês: 15249 
este ano: 252918 
total: 2293046 
último:
 
>
história local > personalidades > Manuel José Ferreira Lopes
Manuel José Ferreira Lopes : ex-Director da Biblioteca Municipal [30/05/1943 - 14/08/2006]

Manuel José Ferreira Lopes : ex-Director da Biblioteca Municipal [30/05/1943 - 14/08/2006]

[ Biografia ]

[ Testemunhos ]

[ Um Homem. Uma Vida. Uma Cultura ]

[ Bibliografia ]

[ Folheto bio-bibliográfico ]

[ + personalidades ]

 
Em memória de Manuel Lopes
Por José Macedo Vieira *


Na véspera da grande festa dos pescadores poveiros à Senhora da Assunção, sua padroeira, faleceu Manuel José Ferreira Lopes, que é necessário evocar, e perpetuar, como um dos maiores Poveiros de sempre.

Homem culto, cultíssimo, dominava enciclopedicamente áreas diversíssimas do saber, que convergiam na sua sustentada e muito própria visão do mundo e da vida.
Poveiro até à medula, nada do que à Póvoa de Varzim dizia respeito lhe era indiferente – ao contrário, tudo o apaixonava, desde o passado histórico, a cuja descoberta e divulgação se devotou apaixonadamente, e que erigiu em base dinâmica de um presente de onde se visse, claramente, um futuro melhor.

Homem de causas, a que se deu ilimitadamente – e foram tantas! – a algumas deixou indelevelmente ligada a sua vida: a Biblioteca – talvez a sua maior paixão, o sítio onde era feliz e onde partilhava felicidade na forma de um saber que a todos se dava e a tantos iluminava nos caminhos da formação cultural e da realização profissional, o espaço aberto e atraente que converteu num centro de irradiação e de dinamização cultural; o Museu, onde o conceito dinâmico de património inspirou e continua a inspirar (porque aqui Manuel Lopes fez escola) exposições temáticas que tornam o passado tão próximo de nós, explicando o povo singular que somos; a Lancha Poveira do Alto, cuja recuperação e divulgação erigiu em símbolo da própria Comunidade; o Boletim Cultural, que coordenou ao longo de décadas, como colaborador próximo e indispensável de directores tão distintos como Flávio Gonçalves e Manuel Amorim, e de cuja projecção, junto dos grandes centros universitários e académicos, foi promotor; e tantas, tantas outras missões…sim, que nele tudo tinha essa motivação profunda, e essa era a razão por que se dava ilimitadamente às causas em que se envolvia.

De uma modéstia e despojamento quase monásticos, sempre Manuel Lopes fugiu à notoriedade a que naturalmente o guindaria a sua ímpar dimensão cultural. Fisicamente refugiado na Biblioteca Municipal, que continuou a dirigir mesmo após a merecida reforma, sempre Manuel Lopes viu nesta Casa da Cultura a sua habitação, de que a morada particular, na Avenida Mousinho, não era mais que uma extensão – e tanto que, numa disposição testamentária que só confirma a coerência e a fidelidade aos princípios por que sempre norteou a sua vida, entregou esse seu património, por doação, à guarda do município, para fins de investigação e apoio à criação cultural.

A Manuel Lopes outorgou o município, no Dia da Cidade, em 1994, a sua Medalha de Reconhecimento - distinção que, ferindo profundamente a modéstia do homenageado, o fez, então, retratar-se em Álvaro de Campos: “olho-me apavorado a enrolar os pés, publicamente, nos tapetes das etiquetas”.

Era assim, de facto, Manuel Lopes, naquele reservado feitio muito seu, de quase desprezo pelas distinções e pelas honrarias.

Foi aquela, então, a homenagem possível. Porque a outra – que, tenha a dimensão que tiver, ficará sempre aquém do mérito da sua obra, ainda não plenamente conhecida – será sobretudo aquela que, colectivamente, formos capazes de concretizar, dando continuidade ao trabalho e aos projectos de Manuel Lopes. Como se ele continuasse fisicamente entre nós.

O que até aqui deixo escrito foi por mim proposto à Câmara Municipal a que presido, em sessão de 21 de Agosto, e pela Vereação unanimemente aprovado como “Memória” do Cidadão, do Intelectual e do Funcionário que, nos vários campos de uma vida cheia, enobreceu e prestigiou a Póvoa de Varzim, a Cultura e o Município. (…)

* Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim

In: VIEIRA, José Macedo - Em Memória de Manuel Lopes. Póvoa de Varzim Boletim Cultural. Póvoa de Varzim: Câmara Municipal, Vol. 40, (2005-2006), p. 7-8.


 
Biblioteca Municipal
Rocha Peixoto

Rua Manuel Lopes
4490-664 Póvoa de Varzim

+351 252 616 000
biblioteca@cm-pvarzim.pt


<b>Biblioteca Municipal  Rocha Peixoto</b>  Rua Manuel Lopes  4490-664 Póvoa de Varzim   +351 252 616 000  biblioteca@cm-pvarzim.pt











Ano Europeu do Património Cultural 2018
Ano Europeu do Património Cultural 2018 Ano Europeu do Património Cultural 2018

Repositório Digit@l  João Francisco Marques
Repositório Digit@l
João Francisco Marques
Repositório Digit@l  João Francisco Marques



Repositório Digit@l  ROCHA PEIXOTO
Repositório Digit@l
ROCHA PEIXOTO
Repositório Digit@l  ROCHA PEIXOTO

saber mais
saber mais saber mais

biblioteca | início  
...
  Câmara Municipal da Póvoa de Varzim
 
. | . | .

[ (c) 1995-2016 Biblioteca Municipal Rocha Peixoto - Póvoa de Varzim ]